20-ABRIL-2020
JOANA RESENDE: "CUIDAR DA SAÚDE E DA MENTE
REQUER BONS HÁBITOS ALIMENTARES

Estar obrigado a permanecer em casa não implica apenas seguir à risca as normas de #serativoemcasa. O confinamento impõe uma adaptação tanto mental como física, que assume principal relevância quando se trata de atletas de alta competição... Mas um bom plano de exercício físico não chega, pois é preciso ter em consideração as eventuais mudanças alimentares e as suas consequências.

Num momento em que é importante permanecer em casa, mas igualmente ser activo e preservar todas as boas práticas, é bom ouvir o que tem a dizer Joana Resende, que actualmente exerce funções como Coordenadora do Serviço de Nutrição do Centro de Desporto da Universidade do Porto e é nutricionista na Clínica SuaSaude e também no Centro de Treino Personalizado Gain Station PT Center.
Evidenciando sempre o entusiasmo e a garra com que em campo luta por todos os pontos e a caracterizam como jogadora de Voleibol, a libero da Selecção Nacional de Seniores Femininos e da AJM/FC Porto alerta para os perigos da mudança e aconselha como comer saudável e em segurança.

Estar confinado em casa tem fortes repercussões na área da alimentação e nutrição. Podemos afirmar que a acção dos nutricionistas, enquanto profissionais de saúde, se assume como preponderante, sobretudo neste momento complicado que atravessamos?
"Sem dúvida que o nutricionista assume um papel preponderante perante a situação que vivemos. Embora estejamos todos em isolamento e apelemos a que as pessoas se mexam e tentem manter alguma actividade física, em muitos casos poderá ocorrer uma diminuição da mesma. Assim, poderá ser necessário fazer alguns ajustes na alimentação, uma vez que, para não ganharmos peso, temos de gastar mais do que ingerimos.
No caso dos atletas, uma vez que os campeonatos das diversas modalidades se encontram suspensos e sem informação acerca de quando e se serão retomados, é necessário que estes tentem evitar ao máximo as perdas de massa muscular e manterem-se o mais aptos para retomar a competição".

De que forma é que o novo coronavírus afectou afectou a tua actividade como atleta de alta competição e de nutricionista?
"O coronavirus afectou a minha rotina, assim como a de praticamente toda a gente. Possuo duas actividades, nutricionista e atleta de Voleibol, e a nível da nutrição tive que suspender as minhas consultas presenciais, mantendo o contacto com os meus pacientes de uma forma menos constante no tempo, tirando dúvidas e ajudando sempre no que for necessário.
Sendo atleta de alta competição, e encontrando-se as actividades suspensas até ordens em contrário, a única coisa que consigo fazer é treinar na minha garagem, com o material que tenho, que é reduzido mas que me permite cumprir um plano de treinos que me é facultado, de forma a minimizar as perdas e a manter-me activa e o mais pronta possível para retomar a competição... até porque já sinto saudades".

“Estou confiante que juntos conseguiremos
ultrapassar este obstáculo”

Como vês as medidas implementadas até ao momento pelas autoridades sanitárias e como enfrentas, pessoalmente, o combate à pandemia?
"Penso que a Direção Geral de Saúde e o nosso País tomaram as medidas que acharam ser fundamentais no combate ao vírus e nós, como indivíduos pertencentes a uma sociedade, temos que as acatar com responsabilidade e civismo, pois temos um papel activo no combate à propagação deste.
Desde que suspendi os treinos e a minha actividade enquanto nutricionista que cumpro todas as normas que vão sendo divulgadas e estou confiante que juntos conseguiremos ultrapassar este obstáculo e voltar à nossa rotina e a estar com aqueles que mais gostamos".

Que mensagem gostarias de deixar aos atletas, bem como a todos os portugueses?
"É uma situação completamente diferente a que vivemos e que levou a uma série de modificações no nosso dia a dia, a alguns momentos de frustração e desmotivação, mas estamos no bom caminho para reverter esta situação, e cumprindo o isolamento e ficando em casa, logo estaremos de volta à nossa rotina.
Mantenham-se activos, tenham bons hábitos alimentares, cuidem da vossa saúde e da mente. Vai ficar tudo bem".


Foto: Joana Resende

As dicas de Joana

"Tendo em conta este período atípico com que nos deparamos, e numa altura em que também devemos cuidar da nossa alimentação, deixo alguns conselhos:
- de forma a evitar ao máximo o contacto com outras pessoas, poderá ser melhor utilizar o serviço de entregas do supermercado;
- torna-se crucial respeitar as regras de segurança alimentar, assim como lavar bem os alimentos e desinfectar todas as superfícies e utensílios usados na confecção;
- Aumentar o consumo de frutas e tentar optar pelas que têm um maior poder antioxidante como as laranjas, kiwis, tangerinas, frutos vermelhos, assim como os hortícolas;
- reduzir a ingestão de gordura e optar por gorduras mais interessantes, como os frutos oleaginosos e azeite, sendo importante controlar as porções, e também recorrer sempre que possível ao uso de ervas aromáticas;
- reforçar a hidratação através de águas, chás, limonadas sem açúcar, por exemplo, e não beber apenas quando tem sede;
- manter a ingestão proteica;
- ajustar a ingestão de alimentos ricos em hidratos de carbono, uma vez que pode ser necessário devido a uma diminuição da actividade física, mas não restringi-los, pois são necessários para as tarefas do dia a dia e manutenção dos níveis de massa muscular;
- quando sentirem necessidade de petiscar algo, optar por alimentos como fruta, gelatina light, tremoços, pipocas sem óleo, palitos de cenoura, etc.;
- é extremamente importante manter a actividade física e combater o sedentarismo".
”.

 
PARTILHA ESTE ARTIGO NAS REDES SOCIAIS