Aposta na Formação começa a dar os seus frutos

O VOLEIBOL VIVIDO COM PAIXÃO

 

António Ferreira da Silva, actual Presidente do Esmoriz Ginásio Clube, era o jogador mais novo da equipa de seniores masculinos que conseguiu o primeiro título de campeão nacional da I Divisão, em 1982/83. Agora, como Presidente, mostra-se satisfeito com o trabalho realizado nos últimos anos e confiante no relançamento do Voleibol do Esmoriz com o reforço da aposta feita na Formação e na equipa de seniores femininos.
 

ANTÓNIO FERREIRA DA SILVA: “Não vou dizer que o Esmoriz Ginásio Clube é o maior clube nacional em termos de atletas, mas é seguramente um dos maiores clubes dedicados ao Voleibol na vertente da Formação.
Apostamos seriamente na formação de jovens atletas, quer de masculinos quer de femininos, para que essa formação tenha, depois, continuidade em equipas de competição seniores.
Estou na Direcção há nove anos e sempre sentimos que este era o caminho. Defendo que não devemos ir buscar atletas a outros clubes ou ao estrangeiro, mas sim formá-los no clube.

A coincidência dos tempos que vivemos hoje, uma conjuntura económica extremamente difícil, acaba por ter também um lado positivo, pois obriga-nos a reforçar a nossa aposta na formação para termos miúdos que poderão vir a dar bons atletas quando chegarem à equipa de seniores. E os nossos atletas também sentem que este clube aposta neles e na formação. É isso que nós pretendemos para o Esmoriz GC e também para o Voleibol português”.


Ao apostarem na prata da casa estarão também a ajudar a manter uma certa mística?


AFS: “Eu cresci neste clube. Fui atleta e vivi os melhores momentos do Esmoriz em termos de conquista de troféus e, nessa equipa, éramos praticamente todos da formação do clube, portanto, tínhamos carisma, tínhamos a mística, que não se sabe o que é mas que nos fazia sentir uma certa paixão pela camisola. Treinávamos e jogávamos com alegria por estarmos a fazer o que mais gostávamos.
No fundo, aquilo que procuramos sempre transmitir aos atletas, aos que por cá passaram e aos que ainda cá estão, é que isto tem de ser vivido com paixão, com entrega, tem de haver o amor à camisola e também muito amor ao Voleibol para chegarem a patamares mais altos em termos competitivos, em Portugal ou no estrangeiro, como aconteceu com aqueles que atingiram níveis técnicos e de qualidade que lhes permitiram ir mais longe, nomeadamente o Roberto Reis, o Hugo Gaspar, o Nélson Brízida, o Rui Santos e o Tiago Violas. Também passaram por cá na sua fase final de formação, e que depois progrediram para a equipa sénior os atletas João Simões, Pedro Figueiredo e Luís Moreira”.


Qual o momento que recorda com mais intensidade?


AFS: “Como atleta, recordo o momento em que o Esmoriz foi campeão nacional da I Divisão. Fazia parte da equipa, e digo isto com muito orgulho e muita honra. Era o atleta mais novo.
Enquanto dirigente, marcou-me a época passada, não porque tivéssemos conquistado títulos nacionais [na III Divisão – seniores femininos e em infantis masculinos], mas porque das 10 equipas de formação conseguimos colocar sete a disputar as fases finais. Isto quer dizer que estamos a trabalhar bem.
É óbvio que eu não vejo o título como objectivo, pois há muitas mais ilações a tirar no final da época em relação ao trabalho feito ao longo da mesma.
Se formos campeões nacionais, fico muito orgulhoso disso, mas fico orgulhoso de igual modo por ver atletas que numa fase final se entregam e jogam até à última gota de suor, até não poderem mais e isso para mim é um motivo de grande orgulho”.


Nos últimos anos, o clube fez uma aposta nos femininos...


AFS: “Quando assumi a Presidência do clube, há dois anos, um objectivo que eu quis implementar no clube foi a criação de uma equipa sénior feminina, pois a que o clube tinha não estava bem estruturada e o trabalho não tinha a sequência desejada.
Começámos de raiz, a participar na III Divisão, com atletas daqui, tendo convidado atletas que tinham pertencido ao Esmoriz GC mas que entretanto tinham saído, e os restantes elementos da equipa foram já atletas da formação.
Explicamos-lhes os nossos objectivos e o propósito daquela equipa: criar um projecto a médio/longo prazo, não um projecto imediato.
O treinador que foi escolhido assumiu também a tarefa de formar uma equipa de modo a poder receber, em três/quatro anos, a nossa formação, permitindo a construção de uma equipa sénior feminina que tenha um núcleo de atletas formadas no clube e que, pontualmente, poderá vir a ter uma ou duas atletas oriundas de outros clubes”.


Como presidente e homem da casa, que sonho ainda alimenta para o clube?

AFS: “Do ponto de vista desportivo, sinto-me realizado, pelo que já foi conseguido nos últimos anos. Contudo, há outra vertente, que é transversal a toda sociedade, que é a vertente financeira e, neste aspecto, eu sinto-me profundamente frustrado, pois as dificuldades são enormes.
Há também os apoios institucionais, quer da Câmara Municipal de Ovar quer da Junta de Freguesia de Esmoriz, alguns patrocinadores que apostam no trabalho que fazemos, não na vertente da competição e na exposição que pode ter uma equipa sénior, mas no trabalho que desenvolvemos com os miúdos, mas isso não é suficiente.
Os encargos financeiros são extremamente elevados. Estamos a pagar o fardo de alguns exageros que se cometeram no passado, mas, e apesar das dificuldades, isto tem de ser levado para a frente.
Embora contemos com a compreensão de muita gente, é um bocado penoso. Este tipo de gestão provoca algum esgotamento, porque no fundo estamos a gerir um clube e entre um clube e uma empresa a diferença não será muita. Tem de haver rigor na estrutura financeira do clube e isso provoca-nos muitas vezes saturação dado que os recursos financeiros não chegam para colmatar alguns compromissos que assumimos. É complicado”.


A visibilidade do torneio TIVE poderá ajudar nesse aspecto, ao mostrar o trabalho que têm vindo a realizar na Formação?


AFS: “O TIVE tem, efectivamente, impacto porque é uma marca que está já implementada. E a realização do torneio ajuda porque há duas vertentes na sua organização: a desportiva, que é sempre importante pois conseguimos trazer para aqui durante duas semanas algumas equipas que praticam Voleibol de uma forma intensa; e a financeira, pois, com os apoios que temos, ajuda-nos a criar aqui uma «almofada».
Quer o TIVE, quer a actividade de praia que desenvolvemos nos meses de Julho e Agosto, ajudam sempre a criar aquele bocadinho extra, pois, por exemplo, em Julho e Agosto é muito difícil termos receitas e temos ordenados a pagar na mesma pois temos funcionários que trabalham durante esse período”.


 


  Domingos Paulo: “A felicidade deles é a coisa mais importante” 



Domingos Paulo,
Coordenador da Formação masculina e do Mini-Volei, treinador dos juniores masculinos e de infantis masculinos.
 

DOMINGOS PAULO: “O Esmoriz GC tem um desígnio, que é ser um parceiro fundamental da sociedade, da população de Esmoriz. Depois, tem três grandes objectivos: ser parceiro na formação social, ser parceiro na sua formação desportiva e ser parceiro na formação escolar dos jovens.
Essa aposta na formação é cada vez mais difícil, pois é complicado recrutar miúdos para a prática do Voleibol, sobretudo nos masculinos. A concorrência é enorme e retira muitos miúdos à nossa modalidade.
De forma que tem sido uma luta constante, uma campanha sem tréguas nas escolas, no sentido de mantermos viva a chama do Voleibol masculino em Portugal e, no nosso caso, no Esmoriz Ginásio Clube”.


Como é que conseguem cativar os miúdos?


DP: “De muitas formas. Fazemos visitas regulares às escolas, organizamos actividades sistemáticas com as escolas primárias, com o pré-primário e com o ensino básico e todos os meses temos uma actividade de grande envergadura. Este ano, movimentámos já à volta de 500 atletas, alunos das escolas do concelho de Ovar. Temos também a vontade e o objectivo de alargar a nossa acção aos concelhos circunvizinhos e os nossos próprios atletas constituem também um veículo de campanha e de sensibilização dos colegas de escola no sentido de virem para aqui praticar desporto e jogar Voleibol”.


Nos escalões de formação, os pais constituem uma peça importante na engrenagem do vosso trabalho...


DP: “É muito difícil trazer os pais aos pavilhões. O isco, digamos assim, que nós temos para os atrair ao pavilhão são os filhos e o entusiasmo destes, daí que organizemos actividades ao fim-de-semana, nomeadamente ao domingo de manhã, para que os pais nos possam visitar e, então sim, dizer-lhes o que fazemos, porque é que eles estão aqui e por que razão é que queremos aqui os seus filhos.
Temos desenvolvido muitos esforços no sentido de os pais, os encarregados de educação, olharem para o Esmoriz GC como mais um auxiliar que pretende participar no sucesso dos filhos deles.
Delineamos algumas estratégias: por exemplo, temos equipas em que os atletas que tiram negativas na escola deixam de poder jogar. Treinam, mas chegam ao fim-de-semana e não jogam.
Queremos mudar também uma ideia instalada de que o Voleibol tira tempo de estudo e desenvolvemos um esforço grande para evitar isso. E este conjunto de estratégias e argumentos que vamos conversando com os encarregados de educação, permitem que actualmente, por exemplo, possamos fazer já quatro treinos semanais com equipas de infantis, sem que os pais e os encarregados de educação vejam nisto um problema para o sucesso dos seus filhos nas escolas.
Temos também tentado arranjar uma cumplicidade muito grande entre os atletas no seio da equipa, isto é, que eles percebam que se tirarem negativa na escola prejudicam a própria equipa na medida em que não podem jogar e dar o seu contributo.
Adicionalmente, temos um canal de comunicação muito aberto com os encarregados de educação e isso permite que ambas as partes, o Esmoriz e a família, saibam quase ao mesmo tempo qual a situação do jovem em casa, na escola e no clube e contribuir desta forma decisivamente para o sucesso dos jovens, que é a nossa grande vontade”.
 


Que dividendos pessoais tira de trabalhar com crianças e jovens?


DP: “A felicidade deles é única coisa que me move. Como treinador, tento proporcionar situações e cenários onde estes jovens possam crescer, serem melhores enquanto jogadores e enquanto pessoas e onde possam fundamentalmente conseguir a sua realização sendo felizes. Esse é o grande objectivo e a grande vontade que eu tenho como treinador”.




  Sérgio Soares: “O que gosto mais de ver 
  numa atleta é a humildade”  



Sérgio Soares
é o Coordenador da Formação feminina, treinador das equipas de juvenis e de seniores femininos.
 

SÉRGIO SOARES: “Começámos no ano passado com a construção de uma nova equipa de seniores femininos, com o objectivo de, a médio/longo prazo, termos atletas da formação a fazer parte desta equipa, o que já acontece, pois metade da equipa é constituída por atletas que foram formadas aqui no Esmoriz. Duas ou três que subiram no ano passado de juniores e daqui a um dois anos pensamos ter uma equipa ainda mais jovem que consiga ter um nível competitivo interessante e que nos possa levar novamente a uma subida de divisão, como fizemos na época passada da III para a II Divisão. Para depois, a médio prazo, digamos em dois/três anos, tentarmos subir à I Divisão”.


E o que é que o Coordenador do Voleibol feminino vê ao olhar em redor?

SS:
“Essencialmente, vejo muitas atletas com potencial. Muitas das vezes, isso não chega, pois têm de atingir um determinado nível e conseguir dar resposta ao que é exigido e em femininos, em Portugal, o nível começa a aumentar cada vez mais e a haver uma aposta grande por parte de muitos clubes. Em termos percentuais, o feminino em Portugal tem muito mais atletas do que o sector masculino, daí o facto de se conseguir tirar mais proveito e conseguir formar um maior número de atletas com qualidade para alimentarem os nossos escalões seniores da II e I Divisão”.


É mais difícil ou mais fácil trabalhar com raparigas ou com rapazes?

SS: “Já trabalhei com o masculino e com o feminino e é relativamente fácil trabalhar com as raparigas. Normalmente, a atleta é exigente por si mesma e, quando motivada, trabalha sempre no máximo. Em certas idades, torna-se mais complicado, quando começam a surgir novas vivências particulares, mas penso que não temos tido aqui uma grande diferenciação em termos de tratamento, até porque as regras e os ideais são iguais para todos”.


Que características gosta mais de ver nas atletas?

SS: “Perseverança, humildade, responsabilidade no assumir dos compromissos, ser sempre frontal, sem rodeios. Dentro destas características, penso que o mais importante será a humildade.
A formação no Esmoriz GC tem todas as condições para vingar. O clube tem imensos atletas e todas as equipas da formação, quer masculinos quer femininos. Tem uma Direcção que aposta muito na Formação, com o objectivo de tirar daí dividendos, como é natural, em termos de atletas de futuro, e aposta num grupo de treinadores com qualidade. Pessoas interessadas, que vivem a forma de estar no Esmoriz, que sentem o pulsar do clube e acho que é um clube que está de boa saúde, desde a Direcção aos treinadores, aos atletas. Todos gostam de desporto, todos gostam de Voleibol e são todos responsáveis”.



 


  Fernando Cardoso: “O TIVE está mais maduro
e todos vão divertir-se” 



Fernando Cardoso é Director do Esmoriz GC e Coordenador do Torneio Internacional de Voleibol do Esmoriz, mais conhecido pelas iniciais TIVE.


FERNANDO CARDOSO:
“O TIVE já mexe há mais de dois meses, altura em que começámos a preparar o torneio. Este ano, contamos mais uma vez com uma grande adesão das equipas a nível nacional. Houve também o cuidado de nos expandirmos um bocadinho a nível internacional a ver se conseguimos que o TIVE comece também a cativar jovens de outros países, mas dentro do clube respira-se TIVE e já toda a gente está mobilizada à volta deste evento.
O TIVE nasce da necessidade de o Esmoriz colocar os seus jovens a defrontar outras equipas. Em termos de formação, havia essa necessidade, lançámos a semente e esta pegou. Teremos sido um dos primeiros clubes a avançar com uma ideia assim e há já sete anos que, tanto desportiva como socialmente, tudo tem corrido bem.
As instalações também são propícias à prática do Voleibol. A competição decorre em três pólos, aqui, no Complexo Desportivo do Esmoriz, na Escola Secundária de Esmoriz e no Pavilhão do Buçaquinho. O Centro de Estágio serve para instalar algumas equipas que vêm ao torneio, ficando junto ao local em que decorrem os jogos. O Agrupamento de Escolas de Esmoriz também nos ajuda em termos de alojamento”.


Paulatinamente, o TIVE tem vindo a expandir as suas fronteiras...

FC:
“O TIVE nasceu em 2009 e tem vindo num crescendo. Na 5.ª e 6.ª edições, em termos de participação, os números foram idênticos. Porém, no ano passado tivemos uma adesão bastante interessante de três delegações estrangeiras, neste caso de uma delegação alemã e duas irlandesas, portanto, há já uma aposta um bocadinho nos países da Europa do Norte. Terá sido o torneio mais internacional de sempre.
Em matéria de adesão nacional, participaram 54 equipas, oriundas de 23 clubes, sendo que tivemos uma média de 240 jogos disputados nas duas semanas de competição.
Em termos de voluntariado, de jovens que pertencem ao clube, de Direcção e de funcionários, estaremos a falar de cerca de 80 pessoas, para servir um universo de 700, 800 participantes.
Há toda uma logística muito interessante por trás disto, muito trabalho, e é preciso alojar as pessoas, transportá-las, dar-lhes alimentação. Em termos técnicos, tudo terá de ser feito para que a competição decorra de forma fluida, sem haver interrupções de ordem técnica. Garantimos que há árbitros com qualificação para todos os jogos, sendo que este ano há também uma forte aposta na arbitragem”.


A organização de um torneio com esta envergadura implica boas relações com os clubes e também com as entidades públicas...

FC:
“A Câmara Municipal de Ovar está a apoiar fortemente o TIVE, em conjunto com a Junta de Freguesia de Esmoriz. São estas duas entidades que nos apoiam, sem eles era muito complicado apresentarmos algumas situações interessantes que irão ocorrer durante o torneio e que as pessoas poderão constatar quando cá estiverem. A Federação Portuguesa de Voleibol tem-nos dado também todo o apoio nesse sentido, bem como a Associação de Voleibol do Porto e os nossos patrocinadores. Sem eles, as coisas não estariam tão facilitadas.
Por outro lado, a relação com os outros clubes é muito interessante e, dada a altura em que é realizado relativamente aos campeonatos dos vários escalões, torna-se uma boa oportunidade para as equipas que têm menos competição congregarem a Esmoriz e aqui esgrimirem os últimos argumentos, de modo a tentarem nivelar as forças antes das finais dos campeonatos. Essa relação é profícua e tudo tem corrido muito bem”.


O que é que se pode esperar de diferente nesta edição?

FC:
“A forte aposta da CM Ovar vai promover o TIVE de uma forma muito mais acentuada. Da parte da organização, o acumular da experiência é uma mais-valia, pelo que temos boas razões para crer que as coisas vão decorrer de uma forma mais madura, adulta, pois o TIVE cresceu e está preparado para acolher bem todos os que nele vão participar e, desejo eu, divertir-se.
Dividimos esta edição do TIVE em duas semanas: a primeira decorrerá este ano de 26 a 29 de Março para contemplar os escalões mais velhos (Cadetes, Juvenis e Juniores); a segunda semana abrirá no dia 1 de Abril e terá o seu fecho no dia 4, para os restantes escalões (Infantis e Iniciados). Este ano, a novidade em termos de Minis, acabámos por considerar que podíamos condensar a participação dos minis em dois dias, na Páscoa, de modo a que os pais possam acompanhar estes atletas, que são os mais pequeninos”.

 

 

  TESTEMUNHOS  

 


  José Fontes: “Seria egoísta se não 
  partilhasse os meus conhecimentos” 



José Fontes,
ex-atleta e actual Treinador dos Infantis Masculinos, foi um dos mais experientes jogadores do Voleibol nacional.
 

JOSÉ FONTES: “É na Formação que devemos insistir e na qual devemos ter os melhores treinadores, porque a Formação é a base de tudo.
Podemos ter uma equipa a lutar para ser campeã, mas se não tivermos formação isso será pouco porque o ciclo não se completa e é complicado renovar essa equipa e integrar jogadores na equipa sénior.
É verdade que é cada vez mais difícil captar jovens para a prática da modalidade. Actualmente, não é só Voleibol aqui em Esmoriz, há Natação, Futebol, Futsal, que vieram tirar muitos jovens. É muito mais complicado cativar os miúdos actualmente do que há alguns anos”.


Por experiência própria, o caminho a percorrer pelo jovem até chegar a sénior é difícil?

JF:
“Depende de cada atleta e das suas próprias características. Para mim, pessoalmente, não foi fácil. Foi muito difícil ser considerado uma promessa, mas até chegar à Selecção e estar em grande nível foi muito mais difícil.
É preciso muito trabalho, muito empenho e sofrimento e não esperar ter muito retorno, porque o Voleibol, infelizmente, não dá tanto retorno como, por exemplo, o futebol”.


Em que é que os miúdos da sua geração eram diferentes dos de agora?

JF:
“A nossa geração vivia para o Voleibol e para a escola; agora vivem para o Voleibol, a escola e para muitas outras actividades, como a música, a dança, etc., as quais muitas vezes nem têm tempo de praticar.
Isso tem a ver com os pais, que sobrecarregam os miúdos com muitas actividades”.


Principais características que o definiam como jogador?

JF:
“Persistente, guerreiro e teimoso... mas como treinador, não peço nada aos atletas, apenas que tenham prazer naquilo que fazem. Porque, quando fazemos as coisas com prazer, os frutos do que fazemos acabam sempre por aparecer.
Eu era um caso um bocadinho especial e tento não incutir a minha maneira de ver e de pensar aos atletas. Tento sim que eles se encontrem a eles próprios. Cada um é como é e não podemos estar aqui a forçar nada”.


Como é que foi feita a transição de jogador para treinador?

JF:
“Descobri recentemente a paixão de treinador. Quando jogava, dizia que não tinha paciência e que não me via como treinador. À medida que os anos foram passando, eu fui descobrindo uma vertente que então não estava desperta em mim.
Comecei a treinar um bocado por capricho, somente para ajudar, e algo começou a despertar em mim e hoje em dia a minha opinião é que seria muito injusto e egoísta da minha parte se não continuasse ligado ao Voleibol e não partilhasse todos os conhecimentos que fui adquirindo ao longo de todos estes anos.
O Voleibol não é uma modalidade que se aprende apenas nos livros; vai-se cultivando no dia-a-dia e agora a minha função é transmitir aos miúdos aquilo que fui aprendendo.
A vida é uma escola constante. Eu posso ser aquele que gere, mas aprendo diariamente e muitas vezes sou agradavelmente surpreendido por algumas atitudes que os miúdos tomam”.

 

 


  Ana Gomes: “Não trocava estes momentos por nada” 



Ana Gomes,
jogadora dos seniores femininos, pratica Voleibol no Esmoriz GC há oito anos.
 

ANA GOMES: “É confortável jogar aqui, pois é um clube sem qualquer tipo de confusão. Há sempre união, há mesmo um forte sentimento de amizade. Um atleta chega ao clube e por mais que se sinta incapacitado frente às dificuldades há sempre um sentimento que o conforta e o torna um membro da família, pois um clube tão acolhedor acaba por ser como uma família.
Não quereria jogar noutra equipa. É um grupo fantástico, com jogadoras cheias de qualidades e com uma atitude muito boa.
Claro que existem sempre algumas adversidades, alturas em que parece que tudo vai correr mal e nada vai evoluir, mas esta equipa faz com que isso não passe de pensamentos passageiros”.


Qual o ponto mais relevante da vossa equipa, que permitiu coleccionar já uma subida de divisão?

AG:
“A união é o ponto mais forte desta equipa. Mesmo que tudo esteja a correr mal, isso só nos faz ser cada vez mais unidas pois há sempre uma atitude positiva que vai tornar tudo mais fácil.
É o que desejamos e devemos transmitir às atletas que chegam ao clube: Nunca desistam! Lutem sempre, mesmo quando as coisas são menos boas, porque vai valer a pena.
É muito importante usufruir de equipas técnicas com qualidade. Ao longo do ano isso reflecte-se na equipa: nota-se bem quem é que esteve connosco e o que fez com a nossa equipa. Se tivermos bons treinadores, tudo se modifica e rapidamente se transforma numa mais-valia”.


Um dia, se o clube tiver de ficar para trás, o que será recordado com mais saudade?

AG:
“O tempo que passo no Esmoriz é um tempo muito bem gasto. Não trocava estes momentos por nada. Para mim, é o melhor clube do mundo e tenho a certeza de que quando sair do Esmoriz há um vazio que vai ficar. Estou aqui há oito anos e conheço já toda a gente, os atletas e todos os treinadores, bons ou menos bons que possam ser, os funcionários e as pessoas que colaboram como clube deixam sempre a sua marca e ficará sempre certamente um sentimento de saudade”.
 

Masculinos – 24 títulos de campeão nacional: 2 da I Divisão, 1 Taça de Portugal, 2 II Divisão, 6 Juniores, 4 Juvenis, 5 Iniciados, 4 Infantis.
Femininos – 24 títulos de campeão nacional: 1 da II Divisão, 2 III Divisão, 2 Juniores, 8 Juvenis, 9 Iniciados, 2 Infantis.



Fevereiro 2015
 


 

http://www.esmorizgc.pt/   https://pt-pt.facebook.com/esmorizgc   descarregar em pdf