10-JUNHO-2017
LIGA EUROPEIA: UMA DERROTA
QUE PODIA TER SABIDO A VITÓRIA

A  Selecção Nacional de Seniores Femininos perdeu hoje com a Espanha por 1-3 (25-19, 22-25, 23-25 e 25-27) e ocupa agora a terceira posição na Poule C da Liga Europeia.
A jogar em casa (Valladolid), perante um público que nunca lhe negou o seu apoio, a Espanha conquistou mais três pontos e decide amanhã, frente à Eslováquia, a liderança do grupo… antes do 2.º torneio, que está agendado para o próximo fim-de-semana em Matosinhos.

A verdade é que a vitória pendeu para os lado de «nuestras hermanas», mas também podia ter pertencido às lusitanas, que viram fugir o pássaro por alguns erros próprios, más decisões da equipa de arbitragem em momentos-chave e/ou maior clarividência das espanholas na recta final dos sets.

As portuguesas entraram bem no jogo: aguentaram o ímpeto das jogadoras da casa e da sua poderosa atacante Jessica Rivero (filha de pais cubanos) e lançaram também os seus ataques, por intermédio de Juliana Rosas e Marta Hurst (8-5).
Dois pontos de Julia Kavalenka no ataque (13-9) impulsionaram a equipa portuguesa e fizeram o treinador espanhol tocar o alarme.
Um ponto mal assinalado pela equipa de arbitragem aproximou a Espanha (12-14), mas Portugal não acusou o golpe e chegou ao segundo tempo técnico com um bloco triplo a Rivero (16-13).
Dois pontos da zona 4 Maria Segura igualaram (17-17) as forças e fizeram António Guerra reunir com as suas pupilas. E a conversa surtiu efeito, já que Portugal se distanciou (20-17), com um bloco autoritário de Aline Rodrigues.
Novo bloco de Aline – 7.º ponto individual –, a complementar os bons serviços de Vanessa Rodrigues e a excelente postura defensiva de todas as jogadoras, aproximaram Portugal da vitória (22-17), que foi selada com um bloco de Juliana Rosas: 25-19.

Um serviço directo de Maria Segura, logo seguido de ataque desta jogadora (7-2), fez vibrar o público espanhol e subir em flecha a confiança da equipa da casa (9-4).
Portugal não se impressionou: Marta Hurst suavizou a diferença (8-11) e Aline reduziu-a à diferença mínima (11-12).
A equipa das quinas passou pela primeira vez para a frente do marcador com um erro da Espanha, sinal de alguma desorientação... momentânea, apenas, já que um serviço da canhota Raquel Brun (23-21) abriu caminho para o triunfo de nuestras hermanas, que chegaria pouco depois num ataque de Maria Segura, que amealhava assim o seu 12.º ponto individual: 25-22.
Novamente a perder (1-3), e com Aline a servir, Portugal logrou passar para a liderança (6-4) com pontos de Carina Moura (bloco) e Juliana Rosas (ataque), fazendo o 11-5 num penalty de Cari.
A reacção das espanholas foi, no mínimo, vigorosa (11-9). Duas acções ofensivas desperdiçadas, logo seguidas de dois ataques de Ana Escamillia, fizeram a Espanha regressar ao comando do marcador (13-12).
Portugal reconquistou a sua posição com dois ataques de Marta Hurst (14-13).
O maior rally do set entusiasmou o público e terminou com um bloco espanhol (15-14). Novo bloco e um ataque de Helia Gonzalez tornaram tudo mais perigoso para as portuguesas, que, contudo, responderam através de dois pontos de Marta Hurst (16-18).
Uma série de serviços falhados beneficiou a equipa da casa (23-20). Um bloco de Carina Moura ainda deu fôlego a Portugal (21-23), mas um serviço falhado deu a vitória à Espanha: 25-23.

No quarto set, o equilíbrio só durou até aos 8-7, altura em que as espanholas, com uma série de blocos de Ana Escamillia, praticamente liquidaram o jogo (15-7)… Ou assim parecia, já que as portuguesas não deitaram a toalha ao chão e foram à luta com raça, com Gabriela Coelho a rubricar o 15-18.
O parecia praticamente impossível aconteceu. Fruto da garra e de defesas quase sobre-humanas, Portugal passou para a frente (24-23), Gabi fez o 25-24 e… quando já se festejava o fecho do set, o árbitro validou um ponto polémico das espanholas (25-25). Ana Escamillia e Magos Collar fecharam o triunfo: 27-25.

Autora de 20 pontos, espanhola Maria Segura foi a melhor pontuadora do jogo, seguida de Marta Hurst (19) e de Aline Rodrigues (15).
Ver estatística aqui

Ver reacções ao jogo de Manuel Almeida aqui e de Joana Resende aqui

A equipa portuguesa, que se estreia na competição, recebe depois, de 16 a 18 de Junho, no Centro de Desportos e Congressos de Matosinhos, os mesmos adversários, durante a fase preliminar.

Ver mais informações aqui

Poule A [org. Albânia e Bielorrússia]: Bielorrússia, Finlândia, Áustria e Albânia.
Poule B [org. Geórgia e França]: França, Ucrânia, Montenegro e Geórgia.
Poule C [org. Espanha e Portugal]: Eslováquia, Espanha, Portugal e Suécia.

Apuram-se para a Final Four os 1.ºs classificados de cada poule, que se juntarão ao país organizador. Se este último for o 1.º classificado numa das poules, apurar-se-á o 2.º melhor classificado de todas as poules.

Convocadas

DISTRIBUIDORAS
Vanessa Rodrigues (AVC Famalicão)
Inês Peneda (Porto Vólei)
Eliana Durão (Castêlo da Maia GC)

ZONAS 4
Juliana Rosas (Leixões SC)
Marta Hurst (FC Barcelona / Espanha)
Gabriela Coelho (AA S. Mamede)
Bárbara Gomes (Porto Vólei)

CENTRAIS
Aline Timm (Porto Vólei)
Carina Moura (AVC Famalicão)
Neusa Neto (CF «Os Belenenses»)

OPOSTAS
Júlia Kavalenka (A. José Moreira)
Vanessa Paquete (CD Ribeirense)

LIBEROS
Joana Resende (Porto Vólei)
Fabiola Gomes (AVC Famalicão)

Equipa técnica

Seleccionador Nacional – António Guerra
Treinador Adjunto – Manuel Almeida
Team Manager – Paula Semedo
Scouter – João Macedo
Fisioterapeuta – Diogo Barata

Contactos

Pavilhão
Polideportivo Municipal Huerta del Rey
Tel: +34 983 426 305

Hotel
Hotel Silken Juan de Austria
Tel: +34 983 457 475

Informações adicionais: www.cev.lu / www.fivb.com 

 
PARTILHA ESTE ARTIGO NAS REDES SOCIAIS