10-JULHO-2016
CANADIANOS VENCEM E
PORTUGAL FICA COM A PRATA


O Canadá venceu hoje, por 3-0 (25-19, 25-22 e 25-15) a Selecção Nacional de Seniores Masculinos, conquistando o primeiro grande título do seu historial e garantindo o bilhete de ascensão ao Grupo 1 da Liga Mundial, em 2017.
Portugal foi medalhado com a prata, um resultado que junta, no seu historial, à vitória na Liga Europeia de 2010 e ao 8.º lugar no Mundial de 2002.

Hoje, o público voltou a comparecer, em número e entusiasmo, no Centro de Desportos e Congressos de Matosinhos, mas a selecção orientada por Francisco dos Santos não conseguiu corresponder aos anseios dos portugueses. O desgaste provocado pelo jogo com a Holanda, disputado ontem à noite, minou a exibição da equipa das quinas, que teve uma hipótese de virar o jogo, no segundo set, quando comandou o marcador, mas não teve forças para suster a reacção dos canadianos. Ver estatística aqui

1.º Set – Começou melhor o Canadá (3-1), mas um ataque de segunda linha de Alexandre Ferreira repôs o equilíbrio (4-4). Contudo, uns momentos de desconcentração foram o bastante para a equipa de Glenn Hoag aproveitar para se distanciar um pouco (8-5).
Marcel Gil reaproximou (8-7), mas mais dois erros (serviço e ataque) voltaram a deixar fugir o Canadá (11-7).
Nova tentativa de reaproximação, através de Marcel, mas o quinto serviço falhado por Portugal a não permitir ir mais além (13-9).
Seria, porém, com um serviço directo (Tiago Violas) que Portugal tentaria encetar a recuperação (12-15).
Nicholas Hoag não o permitiu, primeiro com um ataque e depois com dois serviços directos (19-13).
A perder por 14-22, Portugal não baixou os braços e João Oliveira e Marcel obrigaram Glenn Hoag a parar o jogo (22-17) para assim travar também a recuperação dos portugueses.
O técnico canadiano conseguiu os seus intentos e foi com um serviço falhado pelos portugueses que viu a sua equipa vencer o set: 25-19.

2.º Set – Entrada de rompante no segundo parcial (5-1), com um serviço directo de Alex Ferreira, e chegada ao primeiro tempo técnico com um serviço desperdiçado por Justin Duff (8-4).
Um ataque ao primeiro toque de Miguel Rodrigues, bem ao seu jeito, manteve a distância, que seria dilatada logo na jogada seguinte (12-7).
A reacção dos homens da América do Norte possibilitou-lhes a aproximação: 10-13 e 13-15, com um bloco-triplo. Fabrício Silva (Kibinho) fixou o resultado em 16-13 por altura da segunda paragem obrigatória.
O Canadá não se deixou intimidar e, no momento certo, igualou e passou para a frente do marcador (18-17). Portugal recuperou a liderança com um bloco de Marcel Gil, empolgando o público (20-19)... e o treinador canadiano parou o jogo.
Contudo, a um serviço falhado pelos portugueses, John Perrin respondeu com um «ás» (21-20)...
Dois ataques que Portugal não conseguiu concretizar em pontos forneceram ainda mais alento aos canadianos (23-20).
Um serviço falhado e um ataque para fora deram o set ao Canadá: 25-22.

3.º Set – O Canadá chegou com facilidade aos 5-2, beneficiando de dois serviços e um ataque falhados por Portugal, tendo atingido o primeiro tempo técnico com o dobro dos pontos da equipa da casa (8-4).
Um serviço directo de Nicholas Hoag tornou tudo ainda mais difícil para a equipa de Francisco dos Santos. (11-5).
Um bloco sólido impulsionou ainda mais o caminho vitorioso do Canadá (16-10).
Era o canto do cisne para os portugueses, que, visivelmente cansados, não conseguiram ir muito mais além: 25-15.

John Perrin, com 19 pontos, foi o melhor pontuador do jogo, enquanto Alexandre Ferreira, com 11 pontos, foi o português mais concretizador.

Alexandre Ferreira:
“Ontem foi a verdadeira final para nós. Demos tudo o que tínhamos, gastámos toda a adrenalina e hoje o cansaço pesou demasiado porque o jogo com a Holanda foi muito intenso e acabou muito tarde.
No segundo set, tivemos a oportunidade de virar o rumo dos acontecimentos, mas o cansaço provocou a desconcentração total e o Canadá aproveitou. Parabéns porque jogaram bem.
Para muitos dos jogadores da nossa equipa, esta foi a primeira final e acaba por ser uma recompensa pelo trabalho que temos desenvolvido nos últimos meses. ”.

Francisco dos Santos:
“Creio que ontem jogámos tudo o que tínhamos e o cansaço não prevaleceu sobre a vontade dos jogadores. Contudo, o desgaste passou para o dia de hoje... e isso notou-se no segundo set, quando estávamos em vantagem e perdemos muitos pontos no ataque, o que não é normal na nossa equipa. Fica um sabor amargo pois, se tivéssemos jogado como contra a Holanda, poderíamos ter lutado pela vitória.
Mas já erguemos a cabeça e começámos a pensar na qualificação para o Campeonato da Europa [Setembro]. Vamos trabalhar ainda mais para levar a Selecção Portuguesa ao Europeu”.

Glenn Hoag (Treinador do Canadá)
“Estou muito feliz, para mais porque este é o primeiro grande título conquistado pela Selecção do Canadá.
Jogámos muito concentrados, sem cometer erros nem deixar que nada nos afastasse do objectivo de vencer esta final e estou muito orgulhoso dos jogadores, que estiveram todos muito bem.
Agora, vamos apontar as nossas baterias para os Jogos Olímpicos do Rio.”

Frederic Winters (Capitão do Canadá)
“Jogámos muito bem e foi visível que os jogadores portugueses estavam muito cansados pelo jogo difícil e tardio frente à Holanda, no sábado. Foi uma vantagem para nós, tenho de reconhecer, mas também devo salientar a forma como a nossa equipa jogou, como um todo e cometendo muito poucos erros.
Agora, os nossos jogadores estão nervosos porque é hoje que é divulgada a convocatória para o Rio 2016 e todos querem ir!”.

Campeonato da Europa de 2017

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos vai defrontar a Finlândia na jornada inaugural da Poule B da 2.ª Ronda de Qualificação para o Campeonato da Europa de 2017, cujos 1.º e 2.º torneios serão disputados em Setembro próximo, respectivamente na Dinamarca e na Finlândia.

Em Sonderborg, no Sul da Dinamarca, Portugal vai defrontar a Finlândia no dia 16 de Setembro (16h00 locais), a Dinamarca no dia 17 (19h00 locais) e, no dia 18 de Setembro, a Suécia (1.º classificado da Poule 1).

No 2.º torneio, agendado para os dias 23, 24 e 25 de Setembro, em Helsínquia, os portugueses medem forças, sucessivamente, com os dinamarqueses (15h00 locais), finlandeses (18h00 locais) e os suecos.

Se vencer a Poule B, Portugal garante o apuramento directo para a fase final; se ficar em 2.º lugar, terá de disputar, na 3.ª Ronda, um playoff (casa e fora) com o 2.º classificado da Poule E, composta por Bielorrússia, Holanda, Turquia e a Áustria (1.º class. Poule 2), a disputar em Outubro de 2016.

Estão já apuradas para o EuroVolley 2017 as selecções da Polónia, país organizador da fase final, e da França, da Eslovénia, da Itália, da Bulgária, da Rússia e da Sérvia (os seis melhores classificados do Europeu 2015).

Turquia x Holanda, 1-3 (23-25, 30-28, 22-25 e 22-25)

A Holanda venceu hoje, por 3-1 (25-23, 28-30, 25-22 e 25-22) a Turquia e subiu ao último degrau do pódio na Final Four da Liga Mundial 2016,

Num primeiro set disputado taco a taco, com a Holanda a chegar em vantagem ao primeiro tempo (8-7) e, depois, a ver a Turquia crescer e atingir a segunda paragem obrigatória na frente (16-14).
Aos 18-14, Gido Vermeulen reuniu com os seus jogadores e a verdade é que a conversa surtiu efeito e a Holanda conseguiu igualar e passar para a frente (19-18), obrigando Emanuelle Zanini a parar o jogo.
Dois pontos no ataque da autoria de Wouter Ter Maat colocaram a Holanda em posição de fechar o parcial (24-22), o que acabaria de acontecer com um bloco de Thomas Koelewijn/Maarten Van Garderen: 25-23.

No segundo set, a Holanda tomou em mãos as rédeas do jogo e foi administrando pequenas vantagens (8-6 e 16-14). Contudo, chegadas ao momento da verdade, as equipas enveredaram por caminhos diferentes: a Holanda continuou a tentar que o seu ataque prevalecesse, enquanto a Turquia deu tudo por tudo para vencer o parcial: igualou aos 21-21 e passou para a frente aos 25-24. Novo empate aos 26 pontos, mas um bloco e um ataque de Metin Toy a darem a vitória aos otomanos: 30-28.

No terceiro parcial, a Turquia esteve a vencer por 14-11, mas deixou fugir o pássaro pouco depois, ao falhar, consecutivamente, um serviço e um ataque (17-18). A Holanda chegou-se à frente e ainda agradeceu outro ataque para fora (22-19).
Com este panorama, uns a somar pontos e outros a desperdiçá-los, não tardou muito que os pupilos de Gido Vermeulen selassem mais um triunfo: 25-22.

No quarto set, a Holanda correu atrás do prejuízo durante grande parte do tempo (6-10, 13-16), mas acabou por igualar aos 17 pontos. Novo assomo dos turcos (22-20) e nova recuperação dos holandeses (24-22), que selaram o triunfo logo de seguida: 25-22.

Gido Vermeulen (Treinador da Holanda)
"Foi uma grande batalha entre duas boas equipas. Temos uma equipa com muitos jovens, mas que deram uma excelente resposta, tendo virado mesmo o rumo do jogo, quando os habituais titulares não estavam a corresponder.
Ontem ficámos desapontados por termos perdido com Portugal, pois cremos que fomos melhores do que o nosso adversário, mas conseguimos recuperar dessa desilusão e vencer o jogo de hoje."

Jasper Diefenbach (Capitão da Holanda)
"Foi um jogo complicado para as duas equipas, mas estou muito orgulhoso da forma como se portaram os jogadores da nossa equipa, que ainda são muito jovens.
Tivemos pouco tempo para recuperar psicologicamente da derrota frente a Portugal, mas o certo é que hoje jogámos focados no terceiro lugar. É um resultado muito bom dado que o principal objectivo nesta prova era atingirmos a Final Four".

Emanuelle Zanini (Treinador da Turquia)
“Parabéns à Holanda porque jogou muito bem. Os jogadores holandeses queriam muito esta medalha de bronze, enquanto os meus jogadores não estavam totalmente focados nesse objectivo e ainda estavam a pensar na derrota de ontem. É verdade que tivemos pouco tempo para recuperar da derrota, mas isto faz parte do crescimento destes jogadores, que ainda são jovens”.


Gokhan Gokgoz (jogador da Turquia)
“A nossa equipa é muito jovem e é a primeira vez que joga a este nível pelo que temos de estar contentes. O nosso objectivo era atingir a Final Four, mas o nosso grande objectivo são os Jogos Olímpicos de 2020. Fomos ao Campeonato de Sub-23 e conseguimos a medalha de prata e disputar a Final Four da Liga Mundial tem de ser considerado um bom resultado pois é a continuação de um bom trabalho que ainda tem pouco tempo de existência”.

Ver mais informações sobre a competição aqui e aqui

Mais informações: www.fivb.com / www.fpvoleibol.pt/WL2016

 
PARTILHA ESTE ARTIGO NAS REDES SOCIAIS