22-DEZEMBRO-2015
SELECÇÃO NACIONAL REFORÇA-SE
TENDO EM VISTA A LIGA MUNDIAL

Ano Novo, vida nova. Em 2016, a Selecção Nacional de Seniores Masculinos vai ultimar a fase de renovação que tem vindo a ser desenvolvida nos últimos anos e nada melhor do que um teste-de-fogo como o da Final Four da Liga Mundial, a organizar no nosso País nos dias 9 e 10 de Julho.

Conscientes da importância de tal momento, os responsáveis federativos decidiram reforçar a equipa técnica com um treinador de renome, tendo convidado Francisco Santos para integrar o grupo de trabalho durante a realização da Liga Mundial.

Chico Santos, como é conhecido mundialmente, vê com bons olhos o regresso a Portugal, onde deixou muitos amigos no curto espaço de tempo em que esteve à frente da Selecção Nacional, na Liga Mundial de 2006.

Por seu turno, o actual Seleccionador Nacional, Hugo Silva, que trabalhou com Chico Santos, vê com agrado o seu regresso e salienta a mais-valia que o treinador brasileiro poderá trazer:
"Chega uma altura em que temos de fazer um ponto da situação e os resultados que a Selecção Nacional registou no ano passado não me agradaram nada.
Apesar de ninguém me ter cobrado nada, nem em termos de metas a atingir, a verdade é que eu não fiquei satisfeito com a nossa prestação tendo em conta os objectivos que eu próprio tracei.
Daí que tenha posto o meu lugar à disposição. Na altura, essa tomada de posição foi recusada e, mais tarde, quando voltei a falar sobre isso com o Presidente da Federação, foi aflorada a hipótese da vinda de um treinador do topo para ajudar nos trabalhos da Selecção e, eventualmente, com mudanças de posto na equipa técnica".

Foram indicados alguns nomes?

"Vários nomes foram lançados, falou-se em Raul Lozano (Argentina), Mauro Berruto (Itália), Julio Velasco (Argentina), mas, na minha opinião, não seriam os treinadores indicados para esta Selecção, que é jovem e que ainda precisa de trabalhar muito. É necessário um treinador persistente e que os faça acreditar no seu valor e que, apesar da sua imaturidade ou inexperiência, é possível voltar a atingir os resultados de nível a que estamos obrigados enquanto Selecção portuguesa.
A partir do momento em que o Presidente me colocou a hipótese de trabalhar em conjunto com um treinador de referência, tomei a liberdade de avançar com o nome de Francisco Santos. Primeiro, porque o Chico tornou-se uma referência para mim desde que trabalhámos juntos em 2006; é um treinador no qual eu de alguma forma me revejo e considero que é a pessoa indicada para orientar esta Selecção jovem".

Francisco Santos mostrou-se receptivo quanto ao regresso ao nosso País?

"Eu próprio falei com ele, dado que nos temo mantido em contacto desde 2006, pois é alguém que prezo muito, tanto como treinador como pessoa, e é quase certo que será ele o treinador que constituirá uma mais-valia para o trabalho da nossa selecção.
A sua vinda está pendente apenas de certos pormenores, que serão acertados quando eu me deslocar ao Brasil, em Janeiro próximo, para aí realizar um périplo por vários clubes brasileiros, para conhecer melhor a realidade brasileira e a forma como trabalham.
Para mim, será uma espécie de estágio e uma situação que eu vinha a amadurecer há já algum tempo e que agora acabou por surgir nesta oportunidade.
Neste périplo pelos clubes, serei acompanhado pelo Chico e começaremos nessa altura a planear o que será o trabalho da Selecção em 2016".

Esse trabalho em conjunto será feito em que moldes?

"Hoje em dia, os selecionadores de Voleibol já não fazem os contratos anuais que fazem noutras modalidades. Os selecionadores nacionais trabalham em clubes durante o desenrolar dos campeonatos; os selecionadores portugueses são os únicos que estão a tempo inteiro na Selecção e que não treinam simultaneamente em clubes.
O Chico virá só para fazer a Liga Mundial, para nos ajudar a preparar a participação na Final Four, que a Federação irá organizar em Julho do próximo ano.
A ideia inicial do Presidente seria ter dois selecionadores, mas isso, do meu ponto de vista, é inviável, mas não constitui qualquer problema, pois eu não me importo de coadjuvar alguém como o Chico e ele, sendo uma pessoa tão humilde como é, também não teria qualquer problema em sentar-se no banco, mas isso não faz sentido, tendo em conta o seu historial e qualidade como treinador, tanto na Selecção Brasileira como em clubes".

Que mais-valias esta mudança trará ao trabalho com os jogadores mais jovens?

"Desde logo, esta mudança será positiva para focar a atenção de todos os atletas num objectivo tão importante como a fase final da Liga Mundial.
Tendo em conta a realização dos campeonatos, estou convencido de que o mais tardar no dia 9 de Maio estaremos a iniciar a nossa preparação com o grupo de trabalho completo.
É um período que se encaixa na perfeição para a vinda do Chico, dado que vamos organizar a fase final do Grupo 2 da Liga Mundial (Final Four) e vamos ter cerca de dois meses e meio até à final. Nesses dois meses e meio, a equipa vai treinar e jogar sem a pressão dos resultados, pois já estamos apurados para a Final Four.
Será possível trabalhar com tranquilidade, evitando assim aquilo que aconteceu no ano passado, em que todos queríamos de certa forma repetir a boa Liga Mundial que fizemos há dois anos. Existem condições para fazer, com tranquilidade, um bom trabalho, potenciando a qualidade dos jogadores mais jovens.
O trabalho de renovação da Selecção iniciou-se quando entrei para o comando técnico e finaliza-se este ano, com a integração de três, eventualmente, quatro jogadores jovens.
Poderão manter-se um ou dois atletas mais experientes devido à necessidade sentida em algumas posições, em que a sua experiência pesará na qualidade da equipa".

Final Four do Grupo 2

A Final Four do Grupo 2 da Liga Mundial 2016, agendada para os dias 9 e 10 de Julho, será disputada por quatro equipas: o organizador (Portugal) e os três melhores classificados do Grupo 2 na Fase Intercontinental.

A World League 2016 apresenta um novo formato de competição, que divide as selecções em dois grupos de 12 equipas e um grupo de 8.

O Grupo 1 inclui as melhores 12 selecções da Liga Mundial 2015: França (vencedora), Sérvia (vice-campeã), Estados Unidos (3.º), Polónia, Brasil, Itália, Irão, Austrália, Rússia, Bulgária, Argentina e Bélgica.

O Grupo 2 é composto pelas 12 selecções classificadas entre o 13.º e o 24.º lugar em 2015: Japão, Holanda, Canadá, Finlândia, República Checa, Cuba, Coreia do Sul, Portugal, Egipto, Turquia, Eslováquia e China.

O Grupo 3 é composto por 12 selecções: Eslovénia, Tunísia, Venezuela, Catar, México, Espanha, Montenegro, Alemanha, Cazaquistão, Grécia, Taipé e Porto Rico.

A edição 2016 da Liga Mundial disputa-se de 17 de Junho a 17 de Julho.
A Fase Intercontinental dos Grupos 1 e 2 será disputada ao longo de três semanas, de 17 de Junho a 3 de Julho.
A Final 6 do Grupo 1, que define o vencedor da Liga Mundial, será disputado por seis selecções (o organizador mais os cinco melhores classificados na Fase Intercontinental do Grupo 1).

Informações adicionais: www.fivb.org / Ver currículos de H. Silva e F. Santos 

 
PARTILHA ESTE ARTIGO NAS REDES SOCIAIS