30/8/2011  VOLEIBOL DE PRAIA

Preparação para os X Jogos Africanos - Maputo 2011

«Duplas moçambicanas fortaleceram-se em Portugal»

A Selecção Moçambicana de Voleibol de Praia que vai disputar os X Jogos Africanos – Maputo 2011 parte hoje do Porto rumo a Moçambique, após cerca de cinco meses de estágio no nosso país.
Na bagagem, a comitiva moçambicana, composta por Raul Romero (Treinador), Guilhermina Cossa, Sátira Chongo, Délcio Soares e Justino Tovela, leva motivação, confiança e... alguma saudade.

Os X Jogos Africanos – Maputo 2011, nos quais estará presente o árbitro português Rui Carvalho, realizam-se de 3 a 18 de Setembro do ano corrente e a Federação Moçambicana de Voleibol aposta forte na organização desta importante competição, contando na preparação dos seus atletas com o apoio do Ministério da Juventude e Desportos de Moçambique e com a colaboração do Instituto do Desporto de Portugal (IDP) e da Federação Portuguesa de Voleibol.

O estágio da Selecção Moçambicana na pátria de Camões dividiu-se em duas fases e decorreu no Centro Municipal de Treinos de Volei de Praia, em Canidelo, Vila Nova de Gaia, com o apoio da Gaianima, Empresa Municipal, e no ginásio Wellfit, que cedeu gentilmente as suas instalações para as sessões de musculação dos atletas moçambicanos.

Na primeira fase, realizada de Abril a Junho, a Selecção Moçambicana que esteve presente em Gaia era composta exclusivamente por seniores masculinos: Pinho da Gama Manda (Treinador), Carlos Macamo, Vanilo Orlando Magombe, Délcio Soares e Justino Tovela.

Raul Romero foi o treinador destacado para acompanhar a segunda fase do estágio em Portugal, que englobou os atletas Guilhermina Cossa, Sátira Chongo, Délcio Soares e Justino Tovela.

Compatriota e amigo de José Antonio Rojas e do Seleccionador Nacional Juan Diaz, com quem chegou a jogar em Cuba, Romero, antes de rumar a Moçambique no princípio deste ano tinha treinado a Selecção da Líbia, país recentemente abalado por convulsões políticas.

“Estou a trabalhar em Moçambique há 7 meses com vista aos Jogos Africanos 2011 e aos Jogos Olímpicos de 2012.
Trabalho mais especificamente com os femininos. Vencemos recentemente uma ronda em Moçambique e vamos disputar, em Outubro, a terceira e última ronda da Taça Continental, que possibilita o apuramento para os Jogos Olímpicos.
O Voleibol moderno implica jogadores e jogadoras altos. Quando cheguei a Moçambique, comecei a trabalhar com três duplas de femininos e esta que trouxemos para estagiar em Portugal é aquela que reúne, em termos de estatura e também em termos técnicos, as melhores condições para disputar a vitória nos Jogos Africanos.
Mais concretamente, apontamos os nossos objectivos para os três primeiros lugares da classificação, tanto em femininos como em masculinos”, assevera o técnico cubano.

E quais são os principais argumentos das duplas moçambicanas?
“Como não tem uma estatura muito elevada [Délcio mede 1,83 metros e Justino 1,78], a dupla de masculinos é muito rápida e táctica, enquanto a de femininos se baseia mais numa técnica mais apurada, embora também seja rápida na execução das jogadas.
O nível do Voleibol em Moçambique é muito baixo. O Voleibol de Praia está num nível mais elevado, tanto em femininos como em femininos.
É necessário modificar toda a estrutura. Para isso, terá de existir um investimento maior na modalidade por parte do Estado de modo a que possa haver um desenvolvimento efectivo.
Moçambique precisa de jogadores altos e de contactar com o trabalho que as grandes potências do Voleibol estão a realizar.
Uma competição como os Jogos Africanos será benéfica para estes atletas, pois entrarão em contacto com duplas de países diferentes”.

Que impressões tem do nosso país?
“Estar em Portugal foi uma maravilha. O nosso estágio apenas pecou por termos disputado poucos jogos.
De manhã, treinamos no ginásio Wellfit, e de tarde na praia, no Centro Municipal de Treinos de Volei de Praia, em Canidelo, em Gaia. A Ana Rita Gomes e o Miguel Maia possibilitaram-nos o treino com uma dupla de femininos e outra de masculinos, mas precisávamos de ter disputado mais jogos para ganharmos um ritmo competitivo mais forte.
Estava louco por conhecer Portugal e considero que é um país maravilhoso. Adoro o vosso país e espero regressar no próximo ano para disputar os Jogos CPLP.
Já tinha conhecimento do Voleibol português, pois conheço Juan Diaz e José Antonio Rojas. Estudei e joguei com o Juan em Cuba, mas, depois, seguimos caminhos diversos [Indoor e Voleibol de Praia] porque fomos trabalhar para outros países e fazer trabalhos diferentes. Antes de ir para Moçambique, estive na Líbia dois anos. Depois, surgiu um convite do Vietname, mas optei por ir para Moçambique”.

A dupla Guilhermina Cossa/Sátira Chongo sagrou-se vencedora – juntamente com as irmãs Rezia e Amélia Cumbe – da Fase Zonal da Taça Continental, que decorreu em Moçambique e apurou as duplas locais para a última fase qualificativa para os Jogos Olímpicos de 2012.

Guilhermina Cossa, de 29 anos e estudante de Direito, mostra-se confiante numa boa prestação em Maputo:
“Quero dar o meu máximo nos Jogos Africanos. Eu e a minha colega de equipa estamos muito bem preparadas. Viemos melhorar muito aqui, em Portugal, e esperamos alcançar um lugar no pódio.
Ficámos no primeiro lugar, tanto na Namíbia como em Moçambique, na Taça Continental e é claro que esses resultados são muito motivadores.
Creio que somos um país favorito nessa competição e temos a ambição de podermos participar nos Jogos Olímpicos de Londres”.

Estar no centro das atenções, é bom ou mau?
“A inegável que a responsabilidade de representarmos Moçambique está acima de tudo. Não sentimos muita pressão, mas a verdade é queremos ser os primeiros campeões de Voleibol de Praia nos Jogos Africanos.
O facto de jogarmos em casa é muito bom, pois já na Taça Continental fomos muito acarinhadas pelo público, que nos apoiou sempre e foi muito motivador e só esperamos corresponder às expectativas do público e do povo moçambicano.
O trabalho que realizámos durante o estágio em Portugal foi muito proveitoso. Tivemos muito apoio por parte da Federação Portuguesa de Voleibol e também dos atletas portugueses, assim como da Ana Rita [Gomes] e do Miguel [Maia]”.

Sátira Chongo, de 21 anos e estudante de Contabilidade, afina pelo mesmo diapasão:
“Estamos a treinar intensamente e a dar o nosso máximo com vista à participação nos Jogos Africanos.
A nossa expectativa é chegar à Final. Se o conseguirmos, isso será um grande motivo de orgulho para a nossa dupla e para o nosso treinador. Se não atingirmos a Final, queremos, pelo menos, um lugar no pódio. Sabemos que não vai ser nada fácil, pois vamos defrontar duplas com mais experiência do que a nossa e que já disputaram outras competições do género e participaram em circuitos internacionais.
Defrontámos duplas muito fortes na fase zonal da Taça Continental e ficámos muito contentes por termos vencido a prova e por termos conseguido mostrar que o Voleibol de Praia está a desenvolver-se em Moçambique. É sempre bom quando conseguimos colher frutos do nosso trabalho.
Tenho a certeza de que vamos ser muito apoiadas pelo público moçambicano e isso será muito encorajador.
Favoritos? Já defrontámos a dupla angolana, que é bastante forte, mas que está ao nosso nível. Ainda não defrontámos a dupla de África do Sul, mas assistimos já a alguns jogos que disputou e é uma equipa forte.
Treinámos com duplas portuguesas durante os dois meses que aqui estivemos, como, por exemplo Ana Freches/Juliana Antunes [campeãs nacionais], e foi uma experiência muito enriquecedora”.

A dupla de masculinos é formada por Délcio Soares e Justino Tovela.

Délcio Soares tem 25 anos e ocupa-se das acções atacantes e de defesa alta:
“Foi muito bom podermos treinar tão intensamente na praia, pois somos atletas de Voleibol Indoor, e só jogávamos Voleibol de Praia nos fins-de-semana.
Em Portugal, treinámos na praia todos os dias e com o grupo todo junto, o que é muito importante para trabalhar com eficácia.
Nesse sentido, a nossa vinda foi muito boa e creio que as expectativas quanto à nossa participação nos Jogos Africanos são legitimamente altas.
Sou pai, tenho os meus afazeres e abandonei tudo para representar Moçambique, pois senti que se integrámos este estágio é porque viram que tínhamos potencial.
Penso que estamos a corresponder e a representar condignamente o nosso país. Mostrámos já que temos valor e, apesar de sentirmos alguma ansiedade para iniciar a competição, estamos confiantes numa boa prestação.
Gostaríamos de ter competido mais, para ganharmos ritmo competitivo, mas estamos gratos por este esforço de Moçambique, que é um país com poucos recursos, em colocar duplas a estagiar fora de África. Estamos conscientes de que os nossos compatriotas estarão à espera de medalhas”.

Justino Tovela, de 22 anos, tem a seu cargo o jogo defensivo:
“Em Portugal, aproveitámos bem a oportunidade de nos preparamos tanto no ginásio como na praia, onde tivemos os campos de jogos sempre disponíveis e fomos sempre muito apoiados.
Estamos muito orgulhosos por termos sido escolhidos para representar o nosso país e vamos disputar os Jogos Africanos tendo sempre no nosso horizonte a vitória, para tentarmos conquistar uma medalha.
Este estágio foi bom porque tivemos oportunidade de treinar com algumas duplas fortes, como a dos campeões nacionais Roberto Reis e Kibinho [Fabrício Silva].
Começámos a estagiar em Portugal em Abril; depois, conseguimos a qualificação para a última fase da Taça Continental [Moçambique, em Julho]; integrámos novamente o estágio e agora vamos regressar a Moçambique mais fortes e com uma enorme vontade de disputar os Jogos Africanos.
Já defrontámos e derrotámos algumas duplas que vamos encontrar nos Jogos Africanos, mas creio que o maior perigo virá das duplas angolanas e sul-africanas”.

Os X Jogos Africanos – Maputo 2011 realizam-se de 3 a 18 de Setembro em Maputo e, em masculinos, estarão presentes as duplas de Moçambique, Egipto, Tunísia, Argélia, Senegal, Nigéria, Camarões, Uganda, África do Sul e Seychelles.

Em femininos, disputarão a competição as duplas de Moçambique, Argélia, Camarões, Tunísia, Senegal, Nigéria, Gabão, Quénia, Botswana e Seychelles.

Tradicionalmente, participam nesta grande festa de desporto 48 nações do continente africano: 

África do Sul

Angola

Argélia

BenimBenin

Botswana

Burkina FasoBurquina Faso

Burundi

Cabo Verde

Camarões

Chade

125px-Flag_of_the_Comoros.svgComores

Costa do Marfim

125px-Flag_of_Djibouti.svgDjibouti

Egipto

Eritreia

Etiópia

Gabão

Guiné

Gana

Guiné-Bissau

125px-Flag_of_Equatorial_Guinea.svgGuiné Equatorial

GâmbiaGambia

Lesoto

Líbia

125px-Flag_of_Liberia.svgLibéria

MadagáscarMadagáscar

Malawi

Mali

125px-Flag_of_Mauritania.svgMauritânia

Maurícias

Moçambique

Nigéria

Namíbia

Níger

Quénia

Rep. Centro Africana

República Democrática do CongoRep. Democrática do Congo

República Democrática do CongoCongo

Ruanda

Senegal

Serra Leoa

Seychelles

Somália

Suazilândia

Sudão

S. Tomé e Príncipe

Tanzânia

Togo

Tunísia

Uganda

ZâmbiaZâmbia

ZimbabweZimbabué