OBRIGADO, JOÃO JOSÉ!
05-07-2015

João José, capitão de Portugal, disse hoje adeus à Selecção Nacional ao fim de 256 internacionalizações.

O central de 37 anos, melhor blocador no Mundial de 2002, mostrou-se tranquilo na hora da despedida. [Ver vídeo]
"Sentimos que é qualquer coisa que está a ir embora. Algo que vai deixar de existir. Todos os anos, se havia alguma coisa que eu tinha como garantido era que chegava a Maio e tinha que estar aqui na Selecção [Risos].
Sair significa despir a camisola, significa não cantar mais o hino.
É complicado... acho que a altura em que senti realmente que ia embora foi hoje quando comecei a cantar o hino. Sabemos que quando despimos a camisola da Selecção vamos deixar de o poder fazer.
Foi uma decisão ponderada e amadurecida ao longo dos últimos anos.
De que vou sentir mais falta? Das pessoas, para além do prazer de representar a selecção. Um dos pontos fortes da nossa selecção foi sempre a camaradagem, a nossa predisposição para nos ajudarmos uns aos outros".

JJ fez o que ninguém pensaria que fosse possível: um jogador português ser verdadeiramente reconhecido como um dos melhores do mundo. Foi o melhor blocador no Mundial de 2002, na Argentina, e criou uma carreira internacional sólida e com muito sucesso. Nas oito épocas que jogou pelo Friedrichshafen na Alemanha, venceu 7 campeonatos, 5 taças e uma Liga dos Campeões.





FINLÂNDIA MAIS FORTE NA HORA DA DESPEDIDA
05-07-2015

A Selecção Nacional precisava do apoio do público para tentar vencer a Finlândia por 3-0 ou 3-1 e assim assegurar a permanência no Grupo 2 da Liga Mundial 2016.
O público respondeu ao apelo e compareceu em número e entusiasmo no Pavilhão Desportivo Municipal da Póvoa de Varzim, ainda para mais quando soube que este seria o jogo da despedida do capitão João José, mas a Finlândia não ajudou à festa, jogando de forma determinada e irrepreensível, atitude que foi recompensada com o triunfo, merecido, por 3-1 (25-18, 25-20, 18-25 e 25-23).

No primeiro set, a Finlândia chegou a vencer ao primeiro tempo técnico por três pontos (8-5), diferença igual ao número de serviços falhados pelos portugueses...
O segundo serviço directo do distribuidor Eemi Tervaportti manteve a distãncia (10-6). Marco Ferreira, com o seu terceiro ponto no ataque, ainda reduziu, mas os nórdicos voltaram à carga (14-10) e, mais tarde, 17-13, com um serviço directo de Urpo Sivula.
Pouco depois, a diferença era já de seis pontos (21-15) e avolumou-se ainda mais (24-17), com Olli-Pekka Ojansivu a selar o triunfo da Finlândia com o resultado de 25-18.

O segundo set abriu com o terceiro serviço directo de Tervaportti. A Finlândia chegou aos 6-2. João José respondeu com um serviço directo (4-6), mas a equipa orientada por Tuomas Sammelvuo não se impressionou e atingiu o primeiro tempo técnico a vencer por 8-4. Valdir Sequeira reduziu (5-8) com um ataque e com um serviço (7-9).
Todavia, Ojansivu rubricava, com seu segundo serviço directo, o seu 12.º ponto no jogo (17-12). A Finlândia ainda aumentou a diferença (20-17, 23-15).
Alex, com um bloco, e Marco, um ataque, ainda reduziram (18-23), mas era tarde demais e a Finlândia venceu por 25-20, acabando com o sonho dos portugueses em permanecerem no Grupo 2.

 

 

 










BROCHURA OFICIAL