COREIA SOBE AO PÓDIO E GARANTE PRESENÇA NA LIGA MUNDIAL 2014
07-07-2013

A Coreia do Sul venceu hoje, por 3-1 (34-32, 25-23, 21-25 e 28-26), a Selecção Nacional e garantiu o 3.º posto na classificação final da Poule C, assegurando a participação na Liga Mundial de 2014, enquanto Portugal, relegado para o 5.º lugar, terá agora de disputar o Playoff de Qualificação que decidirá a sua continuidade na competição.
Seo Jae-Duck, com 29 pontos, e Jeon Kwang-In e Valdir Sequeira, ambos com 20 pontos, foram os melhores pontuadores do jogo. [Ver Calendário da Poule C]

Os portugueses entraram muito bem no jogo (2-0), pressionando, com serviços fortes, a recepção contrária e dificultando, com a eficácia do seu bloco, a acção dos atacantes contrários.
Dois blocos consecutivos de Valdir Sequeira (5-1) impulsionaram a equipa de Flavio Gulinelli, que à passagem do primeiro tempo técnico já vencia por 5 pontos (8-3), vantagem que prolongaria no tempo (11-6).
A reacção da Coreia, com Seo Jae-Duck a servir, aproximou perigosamente os coreanos (12-10, 15-13), mas André Lopes logrou conseguir uma vantagem de três pontos no segundo tempo técnico (16-13).
Novo pressing dos coreanos, culminado com um serviço directo de Kwak Seung-Suk, trouxe equilíbrio ao jogo (18-18), mas um bloco de Marcel Gil e um ataque ao primeiro toque de Alexandre Ferreira voltaram a pôr Portugal na liderança do marcador (21-18).
Um serviço directo de Seo Jae-Duck assustou (21-20) os portugueses, que reuniram com o seu treinador. Jeon Kwang-In igualou (22-22); Valdir, com dois pontos consecutivos no ataque (24-22), colocou Portugal na frente, mas Seung-Suk igualou (24-24) e Lee Sun-Kyu adiantou (26-25) a Coreia. Seguiram-se várias igualdades (27-27, 29-29, 31-31), mas a acção ofensiva de Jeon Kwang-In revelou-se decisiva no desfecho do parcial: 34-32.

A acção defensiva de André Lopes – apesar de muito condicionado fisicamente – e o poder no ataque de Valdir deram vantagem a Portugal no início do segundo set (5-2), mas a Coreia igualou com um bloco de Lee Sun-Kyu (5-5).
Dois pontos consecutivos de Marcel Gil no ataque fizeram emergir novamente Portugal (8-6).
Um serviço directo do camisola n.º 1 aumentaram a distância pontual (9-8).
A vantagem mínima de Portugal com que se atingiu a segunda paragem obrigatória (16-15) dava a entender que o final do set seria equilibrado, à semelhança do anterior. E assim foi (21-21, 23-23) até aos 25-23 finais, novamente favoráveis à Coreia.

No terceiro set, Portugal voltou a entrar melhor (5-2, 10-5). Intranquilos, os coreanos atacaram para fora (12-17). Com o seu bloco a funcionar outra vez e Alex Ferreira a facturar no ataque, Portugal começou a recuperar confiança (16-10).
Novamente apoiado no seu bloco e com Valdir a somar pontos no ataque, Portugal colocou-se em posição de fechar o parcial (19-12, 24-17) e selou o resultado com um claro 25-21.

No quarto set, foi a a vez da Coreia se adiantar no marcador (6-4). Apoiado pelo público e com Nuno Pinheiro a servir, Portugal deu a volta ao resultado, atingindo o primeiro tempo técnico a vencer por 8-6.
Contudo, os portugueses seriam surpreendidos pela reacção dos coreanos, que transformaram um 9-13 em 15-13 e só foram travados por um ataque de João José (14-15).
Alex Ferreira fez o seu 19.º ponto individual e a igualdade (18-18).
Um bloco triplo (André Lopes/João José/Nuno Pinheiro) deu, finalmente, vantagem a Portugal (21-20) e levou o público ao rubro.
Dois blocos consecutivos deram a Portugal a oportunidade de fechar o set (24-22), mas os coreanos não desistiram e passaram para a frente (25-24). João José puxou dos galões de capitão e fez a igualdade, mas Duck, com um serviço directo fez o 27-26 e Sang-Ha Park fechou o parcial e o jogo com o resultado de 28-26.

Flavio Gulinelli: "Parabéns à Coreia, Jogámos bem em todos os sets, construímos grandes vantagens e depois deitámos tudo a perder.
Agora, resta-nos aguardar pelo que o Playoff da Liga Mundial 2014 nos reserva".

João José: "Não tenho nada a dizer sobre o jogo. Se os sets acabassem aos 21 pontos, de acordo com o que as novas regras querem impor, venceríamos o jogo.
Resta-me dar os parabéns à Coreia pela vitória".

Ki-Won Park, Treinador da Coreia do Sul: "O jogo correu-nos muito bem. Reparei que Portugal tinha três ou quatro jogadores condicionados fisicamente e procurámos tirar proveito disso.
Estou muito satisfeito por termos conseguido garantir a presença na Liga Mundial do próximo ano".

Lee Sun-Kyu, Capitão da Coreia do Sul: "Estamos muito contentes por termos vencido e assegurado a participação na Liga Mundial 2014. Merecemos a vitória pois preparámo-nos muito bem para este segundo jogo".
 

< VOLTAR   

 

PERMANÊNCIA NA LIGA MUNDIAL DECIDE-SE AMANHÃ ÀS 19H00
06-07-2013

Tendo em conta os resultados dos outros jogos da Poule C, a Selecção Nacional de Seniores Masculinos precisava de somar hoje apenas dois pontos para assegurar, desde logo, o 3.º lugar e a consequente permanência na Liga Mundial da 2014.
Contudo, a Coreia apresentou-se no Multiusos de Guimarães com o claro objectivo de criar obstáculos às pretensões dos portugueses e, para além disso, construir um resultado que lhe permitisse continuar a alimentar as hipótese de atingir o último lugar do pódio.
Jogou bem e conseguiu os seus intentos (3-1: 25-18, 22-25, 25-23 e 25-21), tendo adiado todas as decisões para o jogo de amanhã (19h00, na Sport TV). [Ver Calendário da Poule C]
Jeon Kwang-In, autor de 29 pontos, foi o melhor pontuador, seguido de João José, com 19 pontos.

O primeiro ponto do set inaugural deixou claros indícios do que poderia vir a ser o parcial e... o jogo. Um ponto longo, demorado, que caiu para o lado da Coreia, após os seus jogadores terem resistido, com defesas impossíveis, a alguns ataques adversários.
Este momento confirmou as suspeitas dos portugueses sobre as dificuldades que iriam sentir ao defrontar uma equipa aguerrida, cujos jogadores se motivam mutuamente, e que combinam rápidas jogadas de ataque.
As igualdades constantes (2-2, 6-6, 8-8) seriam quebradas com um serviço directo de Han Sun-Soo, mas as dificuldades avolumaram-se quando a equipa de Ki-Won Park se adiantou no marcador (15-10), atingindo o segundo tempo técnico com quatro pontos de vantagem (16-12).
Um bloco individual de Jeon Kwand-In (18-12) motivou o segundo pedido de tempo utilizado por Flavio Gulinelli.
A conversa não mudou o rumo dos acontecimentos, e Jeon Kwand-In assinou o seu quinto ponto no set (22-15), desbravando o caminho para a vitória por 25-18.

Portugal aprendeu a lição e o segundo set foi diferente. Portugal virou o resultado de 2-4, atingindo o primeiro tempo técnico em vantagem (8-6), com um erro dos coreanos.
Com paciência, os portugueses foram abrindo cada vez mais brechas na defesa e confiança dos coreanos, chegando ao segundo tempo intermédio com uma vantagem de três pontos (16-13), obtida com um ataque de Valdir Sequeira.
Um bloco de João José aumentou a distância (19-14). A Coreia reagiu com dureza, encurtando a diferença (19-21), mas Alexandre Ferreira fez o 23-20 e o triunfo apareceu com naturalidade: 25-22.

No terceiro set, Portugal, depois de igualar a 3-3, liderou a marcha do marcador (8-6, 11-9, 16-15) e distanciou-se do seu adversário com um serviço directo de Valdir e um bloco de André Lopes (18-15), mas a Coreia conseguiu igualar por intermédio de Jeon Kwang-In e passou para a frente com um serviço directo de Seo Jae-Duck (19-18).
Nova igualdade, resultado de um ataque de joão José (20-20). A perder por 20-22, Gulinelli procurou redefinir a estratégia com os seus jogadores, mas a equipa coreana não abriu mão do triunfo, selado com um ataque de Seo Jae-Duck: 25-23.

No quarto set, o equilíbrio inicial foi desfeito pela Coreia, com Kwak Seug-Suk a servir, a equipa asiática concretizou três pontos consecutivos (12-7) e alargou a vantagem com dois pontos, no ataque e no bloco, de Shin Yung-Suk (16-10).
Incentivado pelo seu público, a Selecção Nacional reaproximou-se (17-19), mas um serviço directo de Duck aumentou ainda mais a confiança da equipa de Ki-Won Park (21-17).
Desorientados, os portugueses tornaram-se presa fácil dos coreanos: 25-21.

Flavio Gulinelli: "Parabéns à Coreia, pois jogou muito bem. Por outro lado, nós não estivemos bem, falhámos muitos ataques e serviços e denotámos muitas fragilidades em bolas fáceis, que não devíamos falhar.
Vamos tentar rectificar este resultado. No Canadá e na Holanda, perdemos o primeiro jogo, mas reagimos bem no segundo. Vamos a ver se a história se repete".

João José: "Naturalmente, não estou agradado com o jogo. Cometemos erros, mas acredito que podemos vencer amanhã".

Ki-Won Park, Treinador da Coreia: "Entrámos bem no jogo e fizemos uma boa exibição. Controlámos o jogo e estamos contentes com estes três pontos, que eram o nosso objectivo e nos permitem continuar a perseguir o terceiro lugar na poule.
Está muito calor e sentimo-nos muito cansados, talvez devido ao fuso horário".

Lee Sun-Kyu, Capitão da Coreia: "Foi um bom jogo e nós ganhámos com todo o mérito".
 

< VOLTAR   

 

PORTUGAL-COREIA AMANHÃ ÀS 19 HORAS EM GUIMARÃES
05-07-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos defronta a Coreia do Sul este fim-de-semana, em dois jogos que terão por palco o Multiusos de Guimarães, Cidade Europeia do Desporto 2013.

Os jogos serão disputados às 19h00 e transmitidos em directo pela Sport TV. [Ver Calendário da Poule C]

O Supervisor FIVB desta 4.ª jornada da Poule C da Liga dos Campeões é o argelino Houkba Gougam.
A dupla de arbitragem será formada por Mario Bernaola (Espanha) e Philippe Schurmann (Liechtenstein).
O português António Sobral será o árbitro de reserva.

A equipa lusitana cumprirá o seguinte programa de treinos no Multiusos:
Hoje: 10h30 / 11h30 e 18h30 / 20h00
Amanhã: 10h30 / 11h30
Domingo: 10h30 / 11h30

Relativamente aos dois jogos com a Coreia, Valdir Sequeira é peremptório:
"Temos que dar o nosso máximo logo desde o primeiro jogo porque são jogos decisivos para podermos garantir o terceiro lugar no grupo e a participação na Liga Mundial 2014".

Para vencer os coreanos, que não apresentam uma equipa muito alta – apenas dois dos seus jogadores têm mais de 2 metros de altura –, mas são conhecidos pela sua eficácia defensiva, o oposto português salienta dois factores importantes:
"Primeiro, temos que apresentar uma postura agressiva e um alto nível de concentração, para assim podermos desenvolver o nosso estilo de jogo da melhor forma.
Depois, temos de rentabilizar a vantagem de jogarmos em casa.
Por um lado, temos o público, que nos tem apoiado entusiasticamente; por outro, podemos usufruir melhor da condição física dos atletas, já que o facto de actuarmos no nosso país leva a equipa a estar melhor preparada devido a não sofrer o desgaste provocado pelas viagens".

Os bilhetes para os jogos da Liga Mundial de Voleibol que se realizam no Multiusos de Guimarães têm os seguintes preços:
. Bilhete para cada jogo: 2,50€
. Cartão de Acesso aos 2 Jogos Portugal x Coreia do Sul: 4,00€
Mais informações em www.tempolivre.pt / geral@tempolivre.pt

Ver Vídeo de Apoio à Selecção

Outros vídeos dos treinos da Selecção Nacional em www.youtube.com/forcavolei

Contactos
 

Multiusos de Guimarães

[+351] 253 520 300
[+351] 253 520 309 (fax)

Hotel de Guimarães

[+351] 253 424 800
[+351] 253 424 899 (fax)

< VOLTAR  

 

PORTUGAL DEFENDE 3.º LUGAR NA POULE C
04-07-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos defende este fim-de-semana, diante da Coreia do Sul, o 3.º lugar que ocupa na Poule C e que lhe permite garantir a permanência entre a elite do Voleibol mundial sem ter de disputar os Playoffs da Liga Mundial 2014.
O primeiro embate com os coreanos está agendado para as 19h00 de sábado (directo na Sport TV) no Multiusos de Guimarães, Cidade Europeia do Desporto 2013, e contará com a arbitragem de Mario Bernaola (Espanha) e Philippe Schurmann (Liechtenstein). O português António Sobral será o árbitro de reserva [Ver Calendário da Poule C]

Nos últimos anos, a Selecção da Coreia do Sul tem procurado recuperar algum do protagonismo que teve nas décadas de 70 e 80, com o 4.º lugar no Mundial de 1978 e o 5.º lugar nos Jogos Olímpicos de 1984.
E a XXIV edição da Liga Mundial prometia vir a ser um momento marcante para esta selecção, pois a equipa de Ki-Won Park estreou-se com dois triunfos por 3-1 frente ao Japão, seu rival asiático, somando logo seis pontos promissores.
Contudo, depois disso, a Coreia só somou outro ponto, na derrota por 2-3 averbada em casa diante da Finlândia.

Agora, com apenas sete pontos e uma hipótese matemática de atingir o 3.º lugar e fugir aos playoffs, a Coreia aposta tudo nos triunfos sobre Portugal.

"Viemos para ganhar", avisa Ki-Won Park.
"Temos consciência de que não será fácil, pois a Selecção Portuguesa cresceu muito desde o ano passado. Está muito forte fisicamente, mas também em termos técnicos", acrescenta o treinador asiático.

O último obstáculo dos coreanos no caminho para os seus objectivos chama-se Portugal.
Ocupando actualmente o 3.º lugar, já sem hipótese de alcançar quer o 1.º quer o 2.º lugar, a equipa orientada por Flavio Gulinelli vai fazer tudo para defender a sua posição na tabela classificativa e, ao mesmo tempo, brindar o público incansável do Multiusos de Guimarães com dois bons espectáculos e... resultados positivos.

Hugo Silva salienta:
"Penso que estamos em melhor situação do que a Coreia, o Japão ou a própria Finlândia. São dois jogos muito importantes que disputamos em casa e são os últimos. É o que está na cabeça de todos, é o último esforço que vamos fazer em prol de um bom resultado.
Acredito que estão garantidas todas as condições para conseguirmos o terceiro lugar, o que seria um resultado já bastante positivo.
Estamos convencidos que os dois jogadores que estão ainda condicionados [André Lopes e Nuno Pinheiro] poderão dar o seu contributo à equipa, se não for a cem por cento, pelo menos próximo disso.
Conquistar os três pontos logo no primeiro jogo, seria logo meio caminho andado para atingirmos o nosso objectivo".

Olhando para trás, o Treinador Adjunto da Selecção Nacional, reconhece:
"Ficará sempre um sabor algo amargo, pois temos a sensação de que poderíamos ter feito um pouco mais, num jogo ou noutro. Oscilámos bastante, com jogos muito bons e logo outros maus.
Creio que um bocadinho de mais consistência por parte da nossa equipa daria até para disputar a Fase Final e isso seria histórico".

André Lopes, Sub-Capitão da Selecção Nacional, admite que "a Coreia tem um estilo de jogo completamente diferente de todas as outras equipas do grupo. Utiliza muitas combinações ofensivas que não são habituais no Voleibol moderno e que poderão surpreender qualquer equipa".

Contudo, o zona 4 aposta na vitória do conjunto lusitano:
"Como qualquer jogo na Liga Mundial, será um jogo difícil. Estamos numa competição onde se encontram as melhores selecções do mundo e, como tal, temos que entrar em campo com níveis de concentração muito altos, pois sabemos que qualquer desatenção pode ser fatal.
Por outro lado, também entraremos em campo com a ambição que nos é característica e sempre com os olhos postos na vitória.
É sempre bom jogar perante o nosso público. Já no fim-de-semana passado, frente ao Japão, os adeptos estiveram fantásticos e contra a Coreia não será diferente. Contamos com o apoio de todos os portugueses para acabar esta participação na Liga Mundial da melhor forma".
 

< VOLTAR   

 

FALTOU FORÇA... E CONFIANÇA
30-06-2013

O Japão venceu hoje, por 3-2 (22-25, 25-23, 28-30, 25-22 e 15-10), no Multiusos de Guimarães, a Selecção Nacional de Seniores Masculinos, que foi fortemente penalizada pela lesão de André Lopes no segundo set, sobretudo no aspecto da recepção, mas igualmente em termos anímicos. Pelo contrário, o Japão ganhou confiança e agigantou-se, acabando por somar com legitimidade a terceira vitória na Poule C da Liga Mundial.

Alexandre Ferreira, com 27 pontos, foi o melhor pontuador do jogo, mas confessou, no final, que "a equipa acusou falta de confiança" frente a uma equipa "muito forte no sideout (contra-ataque)".

No próximo fim-de-semana, Portugal recebe a Coreia do Sul, novamente pelas 19 horas e no Multiusos de Guimarães, enquanto o Japão é o anfitrião do Canadá.

Desejoso de rectificar o desaire averbado na véspera, o Japão entrou com convicção no set inaugural e chegou ao primeiro tempo técnico com uma vantagem de dois pontos (8-6), com os últimos pontos (um bloco e um ataque) a terem a chancela do capitão Kota Yamamura.
Portugal respondeu bem, com dois blocos consecutivos a possibilitarem a igualdade e dois pontos consecutivos de Alexandre Ferreira no ataque a serem recompensados com a liderança no marcador (10-9).
A equipa de Gary Sato reagiu e Daisuke Yako colocou o Japão novamente na frente (12-11).
Equilibrado quanto baste, para gáudio do público – Flavio Gulinelli tinha prometido um bom espectáculo... –, o jogo atingiu o segundo tempo técnico com Portugal na frente, mercê de um ataque de Valdir Sequeira (16-15).
Um ataque de Alex, outro de Marcel Gil e um serviço directo de Tiago Violas colocaram Portugal a um mero ponto do triunfo (24-22) e André Lopes fechou em beleza com um bloco individual: 25-22.

Os portugueses apresentaram-se no segundo set inexplicavelmente nervosos e disso se aproveitou o Japão para, com a persistência do seu ataque e a eficácia da sua defesa alta e baixa, somar pontos atrás de pontos (8-4, 16-11).
André Lopes, com um bloco, colocou Portugal novamente na luta (17-19) e um serviço cirúrgico de Tiago Violas igualou a contenda (20-20).
Mais calmos e pacientes, os nipónicos colocaram-se numa boa posição para vencer o set 24-21, mas João José, com um bloco, deu novo alento a Portugal (23-24), antes de Tatsuya Fukuzawa fechar o parcial com o resultado: 25-23.

No terceiro set, João José quebrou o equilíbrio existente (2-2, 5-5-) com um serviço directo (7-5) e Portugal logrou chegar em vantagem ao primeiro tempo técnico (8-6) com um ataque concretizado pelo distribuidor Nuno Pinheiro.
Num ápice, os lusitanos construíram uma vantagem de quatro pontos (10-6), que Gary Sato tentou travar com um pedido de tempo.
Um serviço directo (13-7) de Alex Ferreira pôs as nu a dificuldades sentidas pelos japoneses em obstar ao bom jogo dos portugueses (15-9).
Contudo, a equipa nipónica não desistiu e recuperou terreno (17-17).
Dois blocos de Ricardo Alvar/João José deram uma preciosa vantagem a Portugal (23-20), anulada com um bloco (23-23) pelos nipónicos, que chegaram a ter cinco hipóteses de fecharem o parcial, mas não conseguiram impedir o triunfo da equipa de Flavio Gulinelli por 30-28.

O início do quarto set evidenciou equilíbrio, mas os japoneses assumiram a liderança do marcador a partir da igualdade aos quatro pontos (8-6, 11-8, 14-11, 16-13).
O 22.º ponto individual de Alex Ferreira e um erro no ataque dos nipónicos fizeram tudo voltar à estaca zero (16-16).
Uma série de erros no serviço e, sobretudo, no ataque por parte dos portugueses assustaram o público e ofereceram uma grande dose de confiança ao Japão (24-20). Portugal reagiu com um serviço directo de Violas e um bloco de João José (22-24), mas Yu Koshikawa fechou o parcial com o resultado de 25-22 e o seu 20.º ponto no jogo.

Na «negra», tornou-se notória a quebra anímica dos portugueses em contraste com a confiança crescente dos japoneses, que tomaram nas mãos as rédeas do jogo (4-0, 6-2, 8-4).
Fukuzawa fez o 9-5, mas Alex amenizou a diferença, com dois pontos consecutivos no ataque (7-9).
Contudo, os nipónicos estavam imparáveis (11-7, 12-8) e Fukuzawa assinou um ponto decisivo (13-9), que permitiu ao Japão gerir a vantagem até ao resultado final: 15-10.

Alexandre Ferreira: "Ficámos fragilizados com a lesão do André [Lopes], fundamentalmente na recepção, mas não foi apenas por causa disso que perdemos o jogo. Faltou confiança a toda a equipa nos momentos decisivos.
Por outro lado, o Japão motiva-se muito quando as coisas lhe estão a correr bem e, ainda por cima, é muito constante no contra-ataque, porque defende muito. Essa situação e o facto de o serviço também lhe ter saído bem, deu-lhes aos seus jogadores a confiança necessária para vencer o jogo".

Flavio Gulinelli: "Parabéns à equipa japonesa, pois jogou muito melhor do que no sábado. Agora, a derrota foi, sobretudo nossa porque cometemos erros muito infantis, jogámos sem cabeça e no ataque tivemos pontos facílimos que não conseguimos concretizar. Não quero pôr as culpas da derrota na lesão do André, até porque temos outros jogadores que fazem a sua função".

Kota Yamamura (Capitão do Japão): "Jogámos muito melhor do que ontem e estamos muito felizes com esta terceira vitória".

Gary Sato (Treinador do Japão): "Espero que o problema com o André Lopes não seja sério. Estivemos muito melhor do que ontem e conseguimos ultrapassar as dificuldades que a equipa portuguesa nos tentou impor".
 

< VOLTAR  

 

PORTUGUESES MAIS FORTES NA RECTA FINAL
29-06-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos somou três preciosos pontos na sua caminhada rumo aos lugares cimeiros da classificação da Poule C ao derrotar (3-1: 25-22, 20-25, 26-24 e 25-15) o Japão, hoje, no Multiusos de Guimarães.
Valdir Sequeira (21) e Alexandre Ferreira (20) foram os melhores pontuadores do jogo, enquanto Tatsuya Fukuzawa e Yu Koshikawa, ambos com 17 pontos, foram os melhores entre os japoneses num jogo em que as acções do ataque e do bloco/defesa foram decisivas, com a balança a pender para o lado dos portugueses nestes dois capítulos.

Portugal e Japão voltam a defrontar-se amanhã, novamente pelas 19 horas, no Multiusos de Guimarães, agora com objectivos diferentes, pois os nipónicos caíram para o último lugar.
Portugal ocupa agora o terceiro lugar, embora esteja «longe» do primeiro lugar, mas Flavio Gulinelli não desarma:
"Até a matemática nos proporcionar essa possibilidade, tentaremos sempre, mas o nosso objectivo continua o mesmo, que é de crescer de jogo para jogo, mais do que a qualificação para a Final".

Os japoneses entraram bem no jogo, com o seu ataque a colocar problemas ao bloco português. À chegada ao primeiro tempo técnico, os nipónicos venciam por 8-6, mas dois pontos de Alex Ferreira (ataque e bloco), um serviço directo de Nuno Pinheiro e um ataque de Valdir Sequeira (10-8) provocaram a reunião dos japoneses com o treinador Gary Sato.
Novo serviço directo do distribuidor português aumentou a pressão (12-8) sobre os nipónicos e, na passagem do segundo tempo técnico, a vantagem dos lusitanos era de quatro pontos (16-12).
A reação dos asiáticos, liderados no ataque por Daisuke Yako e Yu Koshikawa não tardou (16-14, 18-16), mas um bloco de Marcel Gil renovou a confiança dos portugueses (20-16), que fecharam o set com o resultado de 25-22.

O segundo set foi bem menos equilibrado. Portugal chegou em vantagem ao primeiro tempo técnico, com um ataque de João José ao primeiro toque (8-7), mas o Japão passou para a frente através de um ataque de Koshikawa (10-9) e distanciou-se no marcador (14-10), dilatando ainda mais a vantagem pouco depois (18-12).
A confiança crescente da equipa japonesa, mais forte no ataque e no bloco (24-18), foi recompensada com o triunfo por 25-20, selado com um ataque de Koshikawa.

A tendência manteve-se no terceiro set, com a equipa de Gary Sato a comandar o marcador (3-1, 8-7). Portugal assumiu a liderança com dois pontos de Valdir Sequeira (11-10), mas o Japão voltou à carga (13-12) por intermédio de Tatsuya Fukuzawa, autor do ataque que selou a segunda paragem obrigatória (16-13).
Apoiado pelo público, Portugal reagiu (19-19), mas Koshikawa assinou o seu 15.º ponto individual, em mais um serviço directo, e recuperou a liderança (21-19).
A igualdade aos 22 deixava tudo em aberto, mas Alex Ferreira resolveu a questão com um ponto no ataque e outro no bloco (26-24).

A forte pressão criada por Portugal no início do quarto set (5-1), o Japão respondeu com a paciência tradicional dos orientais (5-5). Pouco paciente mostrou-se o artilheiro Valdir que somou quatro pontos consecutivos (11-5).
Imparáveis, desenvolvendo um jogo alegre e eficaz, os portugueses dispararam (17-7) rumo a um triunfo que recompensou a sua postura, o seu jogo irrepreensível neste parcial e, ainda, o apoio incondicional do seu publico: 25-15, com um serviço directo de André Lopes.

Flavio Gulinelli: "Foi talvez o nosso jogo mais regular. Fomos ganhando confiança e, no quarto set, o nosso sideout apresentou já uma grande qualidade. Falhámos muitos serviços, mas esse é o imposto que temos de pagar se queremos ganhar. E nós sabíamos que tínhamos de jogar bem contra o Japão, que tem uma boa equipa".

João José: "O Japão é uma equipa muito complicada, pois comete poucos erros e o seu bloco/defesa funciona muito bem. O terceiro set foi crucial pois deu-nos confiança e mostrou-nos como tínhamos de fazer para conquistar os três pontos, que eram o nosso objectivo".

Kota Yamamura (Capitão do Japão): "Jogámos bem no segundo set, mas acusámos a pressão no terceiro. Hoje, aprendemos muitas coisas e acredito que vamos jogar melhor amanhã".

Gary Sato (Treinador do Japão): "Parabéns a Portugal pela vitória. Jogou muito bem e nós não. Vamos descansar e pensar no jogo de amanhã. Temos de fazer alguns ajustamentos no nosso jogo, pois creio que poderemos jogar bem melhor".

Ver Vídeo de Apoio à Selecção

Outros vídeos dos treinos da Selecção Nacional em www.youtube.com/forcavolei
 

< VOLTAR    

 

PORTUGAL-JAPÃO: SÓ A VITÓRIA INTERESSA
27-06-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos tem este fim-de-semana dois excelentes desafios às suas aspirações aos lugares cimeiros da Poule C, o primeiro dos quais agendado para as 19h00 de sábado no Multiusos de Guimarães, Cidade Europeia do Desporto 2013 e onde «Nasceu Portugal». [Ver Calendário da Poule C]

Frente a uma equipa em formação, que estreia um treinador estrangeiro, embora profundo conhecedor do Voleibol nipónico, Portugal joga duas cartadas decisivas com vista a melhorar a sua posição na tabela classificativa. [Vídeo de Apoio à Selecção]
Sempre consciente de que o seu adversário, apesar do mau começo, vem de dois triunfos surpreendentes sobre a Finlândia, selecção que à partida para a competição era apontada como uma das maiores favoritas à vitória na poule, a Selecção Nacional tem apenas um objectivo: vencer os dois jogos.

“Temos de vencer os dois jogos. Até ao momento, fizemos o mínimo que poderíamos fazer, ou seja, vencemos um jogo em cada fim-de-semana.
Agora, estamos a jogar em casa e queremos vencer os dois jogos e, ao mesmo tempo, presentear o público português com bons espectáculos. Creio que isso será uma realidade, pois a nossa equipa está já em boas condições e a equipa japonesa está motivada”, salienta Flavio Gulinelli.

O seleccionador nacional antevê um embate difícil:
”O Japão tem uma equipa em crescimento. As equipas orientais em relação às europeias não são tão físicas e apostam mais na qualidade técnica. São muito pacientes, esperam pelos erros no bloco do seu adversário e baseiam o seu jogo na qualidade da defesa e da recepção”.

Do lado contrário, o treinador do Japão traça metas concretas para a 20.ª participação da equipa asiática na Liga Mundial:
“O nosso objectivo para este fim-de-semana é manter a senda vitoriosa que se iniciou com os triunfos sobre a Finlândia. Sabemos que vai ser muito difícil, pois a equipa portuguesa é muito forte e está a jogar bem. Acredito que vão ser dois jogos muito equilibrados e... espero que no fim a vitória possa cair para o nosso lado”.

O norte-americano Gary Sato, que se estreia como timoneiro da equipa nipónica nesta Liga Mundial, está bem ciente da responsabilidade que repousa sobre os seus ombros:
“A ambição do Japão é vencer o grupo, mas somos realistas e sabemos que neste momento esse objectivo é muito difícil de atingir. Queremos manter-nos na Liga Mundial pois é algo de muito importante para o Voleibol japonês.
O balanço que faço do meu trabalho à frente da selecção do Japão é muito positivo. É um trabalho a longo prazo dado que estamos a preparar a equipa para atacar o apuramento para os próximos Jogos Olímpicos e tenho notado um crescimento gradual muito aceitável dos jogadores e da equipa. Para mim, é uma grande honra poder treinar a selecção do Japão, pois pela primeira vez o treinador que lidera a equipa não é nipónico e isso é um grande desafio para mim”.

Vídeos dos treinos da Selecção Nacional em www.youtube.com/forcavolei

Contacto
 

Hotel de Guimarães

[+351] 253 424 800
[+351] 253 424 899 (fax)

 

< VOLTAR   

 

PORTUGAL INFELIZ NA DESPEDIDA DA HOLANDA
23-06-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos perdeu hoje, por 0-3 (34-36, 23-25 e 22-25), no Omnisports de Apeldoorn, com a Holanda, no segundo jogo da 3.ª jornada da Poule C da Liga Mundial 2013.
Foi um jogo totalmente diferente do de sábado. Continuou a haver equilíbrio mas Portugal não conseguiu superiorizar-se na recta final dos sets, embora no primeiro parcial, que durou 39 minutos, se possa queixar apenas da actuação da equipa de arbitragem e no segundo de alguma infelicidade na forma como Maan fechou o set...

A Selecção Nacional regressa ainda hoje ao nosso país – voo TP 651 – Amesterdão / Porto (19h15 / 20h55) –, disputando as 4.ª e 5.ª jornadas da Poule C em Guimarães, com o Japão (28 e 29 de Junho) e a Coreia do Sul (6 e 7 de Julho). Os treinos serão realizados no Multiusos de Guimarães, palco dos jogos. [Ver Calendário da Poule C]

Pressionada pelo triunfo averbado por Portugal no primeiro jogo, a Holanda entrou em força no primeiro set (8-5, 11-6), valendo-se, sobretudo, das acções ofensivas dos seus artilheiros de serviço, Niels Klapwijk e Jeroen Rauwerdink.
Os portugueses reagiram (12-14), mas não conseguiram impedir que o seu adversário chegasse com uma vantagem de três pontos ao segundo tempo técnico (16-13).
A paragem fez bem à equipa orientada por Flavio Gulinelli, que recuperou o terreno perdido nos minutos iniciais (17-18).
Contudo, um serviço directo concretizado por Klapwijk complicou novamente a vida aos portugueses (21-18).
Vendo os seus pupilos algo nervosos, Gulinelli pediiu calma e o capitão João José organizou a equipa em campo, serenando-a... E Portugal chegou à igualdade, através de um serviço directo de André Lopes. Este ponto teve o condão de criar um nervoso miudinho entre as hostes holandesas, que cometeram dois erros (serviço e ataque) que possibilitaram a liderança de Portugal (24-23).
A Holanda precisava de alguém sem medo de arriscar esse homem foi... Maan (25-24).
Marcel respondeu à altura (25-25), mas Jelte Maan voltou a pontuar no ataque (26-25).
Num final verdadeiramente dramático, Alex igualou (26-26), mas Kooistra desfez a igualdade (27-26). Marcel voltou a igualar (27-27), mas a Holanda recuperou a liderança (28-27). João José empatou (28-28), mas foi blocado na jogada seguinte (28-29).
Rauwerdink, a estrela local, falhou o serviço (29-29), mas o pequeno Maan voltou a pontuar (30-29. Um bloco de Nuno Pinheiro prolongou o set (30-30), mas os portugueses deixaram-se surpreender pelo distribuidor Nimir (30-31). Alex não deixou os seus créditos de artilheiro em mãos alheias e fez o 31.º ponto. Nuno Pinheiro arriscou no serviço e falhou (31-32), mas o mesmo aconteceu com Nimir (32-32)... e com Alex (32-33). Rauwerdink viu a oportunidade de vencer, mas não contava com o bloco individual de Marcel (33-33), logo seguido de outro bloco, desta vez de João José (34-33). Marcel falhou o serviço (34-34) e a Holanda voltou a pressionar (35-34).
O set acabaria da pior maneira: com um ponto polémico (36-34), que motivou o protesto dos portugueses, quando o árbitro considerou dentro um serviço (fora) de Niels Klapwijk...

Ainda a recordar este episódio, os portugueses entraram bem (3-1, 7-5) no segundo parcial. Rauwerdink ainda aproximou a sua equipa (6-7), mas Kooistra falhou o serviço e Portugal chegou com uma vantagem de dois pontos ao primeiro tempo técnico (8-6).
Thomas Koelewijn igualou aos 9 pontos e um ataque falhado por Portugal colocou a Holanda na liderança do marcador pela primeira vez.
Dois erros (no serviço e no ataque) de Niels Klapwijk deram novo fôlego aos lusitanos (13-13).
Maan voltaria a ser o homem dos momentos cruciais e do seu ataque saiu a liderança dos holandeses na segunda paragem obrigatória (16-14).
Um bloco de Nuno Pinheiro a Maan aproximou Portugal, que igualou (17-17) na jogada seguinte.
Mas foi também com um bloco que Rauwerdink aumentou para dois pontos a vantagem da equipa da casa (21-19).
Portugal voltou a equilibrar os números (21-21), mas Niels Klapwijk pontuou novamente no ataque e no serviço (23-21)...
André Lopes igualou (23-23) na conclusão de um ponto muito discutido e que portugueses defenderam com unhas e dentes...
Niels Klapwijk fez o 24-23 e Rauwerdink fechou o set (25-23) com um serviço directo... a bola bateu na tela e caiu desamparada no campo de Portugal.

O terceiro set foi totalmente dominado pelos holandeses (5-2, 9-4, 12-6, 16-10), que, motivados pelo seu público, caminhavam imparáveis para o triunfo no set e no jogo, mas Portugal reagiu e, com nuno Pinheiro a servir passou um resultado de 13-22 para 20-22!
Um esforço meritório, mas inglório, já que os holandeses venceram por 25-22, com um serviço falhado por Portugal.


Niels Klapwijk (17), Jeroen Rauwendink (13) e Alexandre Ferreira (12) foram os melhores pontuadores.

Flavio Gulinelli: "Estou aborrecido. Não devíamos ter perdido por 0-3. Foi um jogo muito equilibrado. A Holanda foi melhor nos momentos cruciais. Cometemos muitos erros no serviço e isso terá pesado decisivamente, mas creio que também foi decisiva a bola que fechou o primeiro set e que me deixou muitas dúvidas. Houve erros da equipa de arbitragem que pesaram muito neste resultado".

João José: "Os árbitros cometeram muitos erros. Não é possível atirar isso para trás das costas".
 

< VOLTAR   

 

PORTUGAL SUPERIOR À HOLANDA
22-06-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos venceu hoje, por 3-2 (25-21, 19-25, 23-25, 28-26 e 15-13), no Omnisports de Apeldoorn, a Holanda, no primeiro jogo entre as duas selecções respeitante à 3.ª jornada da Poule C da Liga Mundial 2013.
Com esta importante vitória, Portugal mantém incólumes as probabilidades de atingir os lugares cimeiros da classificação e coloca em cheque as pretensões dos holandeses, pelo que o jogo de amanhã (12h30, em directo na Sport TV) reúne ainda mais motivos de interesse do que o esperado espectáculo de Voleibol que estas duas equipas sempre protagonizam quando se enfrentam. [Ver Calendário da Poule C]

Hoje, a equipa de Flavio Gulinelli deu mais alguns indícios do seu real valor, que tinham já ficado patentes no último jogo disputado no Canadá e assume-se como um dos principais candidatos a ocupar os lugares cimeiros da Pouke C.

Apesar das exibições de Portugal e Holanda terem chegado a atingir um bom nível, sobretudo no ataque e na defesa, o jogo ficou ainda marcado pelo elevado número de serviços falhados. Nesse capítulo, estiveram melhor os portugueses, pois contabilizaram igual número de serviços directos (6) e erraram menos (19 contra 25).

Alexandre Ferreira foi o artilheiro-mor do jogo, tendo facturado 24 pontos (17 ataques, 5 blocos e 2 serviços directos), seguido de Jeroen Rauwendink (23), Niels Klapwijk (17), Valdir Sequeira (16) e Marcel Gil (13).

O espectáculo não começou bem. Um problema «técnico» imprevisto provocou a paragem do jogo por alguns intermináveis minutos, após um bloco triplo ter dado o ponto inaugural à Holanda, que apresentou no seu seis inicial uma pequena surpresa: Wytze Kooistra, que disputou os quatro primeiros jogos na posição de oposto, regressou hoje às suas funções de central de raiz.
Portugal respondeu da melhor forma ao poderio do alto bloco holandês: igualou aos 7 pontos, com um bloco individual de Alexandre Ferreira a Jelte Maan e passou para a frente com um bloco duplo do mesmo Alex e de João José.
E o capitão luso obteria ainda o ponto seguinte, no ataque (9-7), vantagem que se prolongaria no tempo (11-9, 13-11).
Uma tesoura finalizada por André Lopes manteve a distância (15-13) e foi o mesmo jogador a conseguir fixar o resultado em 16-13 à chegada ao segundo tempo técnico.
Com Nuno Pinheiro a servir, Portugal chegou aos 19-16, aumentando o seu pecúlio pontual com um serviço directo através do especialista Alex Ferreira (21-16).
Um ataque de André Lopes, que ultrapassou o bloco triplo da Holanda deu o 22-17 à turma das quinas.
A equipa de Edwin Benne reagiu (19-22) e Flavio Gulinelli pediu um desconto de tempo, cortando a recuperação dos holandeses. Valdir fez o 23-19, a dupla de arbitragem deixou passar um transporte claro de um jogador holandês, mas João José repôs a justiça no resultado, fazendo o 24-20 no ataque.
A boa exibição de Alex Ferreira neste primeiro set foi premiada com o último ponto do parcial e o 10.º ponto da sua conta pessoal: 25-21.

Fortemente apoiada pelo seu público, a Holanda entrou bem no segundo set, só tendo sido travada por um bloco de João José (2-4).
Marcel Gil manteve Portugal próximo (5-7), mas seria com um serviço falhado pelos portugueses que os holandeses chegariam com uma vantagem de três pontos ao primeiro tempo técnico (8-5).
Thomas Koelewjn aumentou a diferença (11-7), Jeroen Rauwerdink manteve-a (13-9) e Maan conseguiu, com um ataque, levá-la até ao segundo tempo técnico (16-13).
Dois serviços directos de Abdel Nimir (19-14) deram ainda mais confiança aos holandeses.
André Lopes procurou reorganizar Portugal e assinou dois pontos consecutivos no ataque (16-19).
Um bloco de João José/André Lopes manteve Portugal na luta... mas os holandeses não acusaram o golpe e criaram todas as condições para fechar o set (23-18), o que acabaram por conseguir, com um serviço directo de Jeroen Rauwerdink, o melhor jogador holandês, fixando o resultado em 25-19.

O terceiro set foi bem mais equilibrado (3-3, 5-5), mas um serviço falhado pelos holandeses deu vantagem a Portugal na primeira paragem obrigatória (8-7).
Pacientemente, os holandeses foram recuperando terreno até igualarem a contenda (12-12), passarem para a frente (15-14) e chegarem ao segundo tempo técnico em vantagem, mercê de um ataque do inevitável Rauwerdink.
Portugal conquistou a liderança no marcador por intermédio de Alex Ferreira (18-17), mas Nico Freriks recuperou-a com um serviço directo (19-18).
Os portugueses ainda igualaram mas depois perderam a concentração e dois pontos consecutivos (19-21).
Gulinelli conversou com os seus pupilos e João José colocou Portugal a apenas um ponto (21-22), para depois, com um bloco a meias com Alex, igualar (22-22).
O equilíbrio prolongou-se até ao fim do set, cujo desfecho acabou por ser, novamente, favorável à equipa da casa: 25-23.

A Holanda entrou bem melhor no quarto set (4-1), mas Portugal recuperou com um serviço directo de Alex (3-4).
A experiência de Jeroen Rauwerdink manteve os holandeses colados aos portugueses (6-6), mas seriam os visitantes a chegar em vantagem ao primeiro tempo técnico (8-7).
E, paulatinamente, Portugal foi ganhando terreno (13-8) e abalando a confiança da até então bem oleada laranja mecânica (14-9).
Contudo, se os holandeses se acaharam, o mesmo não se pode dizer de Rauwerdink, que capitaneou a reacção da sua equipa (13-15).
Marcel marcou o ponto com que se atingiu a segunda paragem obrigatória (16-13), mas o alto bloco holandês voltou a equilibrar as forças (16-15).
Um serviço directo de Valdir Sequeira colocou Portugal outra vez a três pontos de vantagem (18-15), mas Rauwerdink e Kooistra reduziram (18-17).
A boa visão de jogo de André Lopes permitiu-lhe somar um ponto com um ataque em... passe (21-18). Marcel fez o 22-19, mas Maan, com um serviço directo, aproximou a Holanda (21-22).
A vencer por apenas um ponto, Portugal afinou as estratégias e criou condições para Valdir Sequeira fazer o 23-21.
Foi então a vez de Edwin Bene reunir com jogadores da casa e a Holanda colocou-se a um mero ponto de distância (22-23), deixando tudo em aberto.
Portugal fez o 24-22, Rauwerdink o 24-23 e... Alex fechou o set, ou pelo menos os portugueses assim o acreditavam, mas o árbitro optou por dar o ponto aos holandeses (24-24).
Num final de set tão equilibrado (26-26), os nervos imperavam e este episódio ainda influenciou mais o discernimento dos jogadores... Kooistra falhou o serviço (27-26) e Valdir selou o triunfo por 28-26.

Na negra, os pratos da balança começaram a pender para o lado da Holanda (2-0, 3-1), mas Portugal recuperou, por intermédio de Marcel e Valdir (3-3).
Rauwerdink fez dois pontos e a Holanda ganhou confiança (5-4) e foi com outros três pontos do número 10 holandês que a Holanda aumentou a vantagem (9-6).
Gulinelli travou a cavalgada pontual dos holandeses e conversou com os seus jogadores... E a conversa surtiu efeito (8-9).
Três pontos consecutivos de Alex, fruto de dois ataques e um bloco, deram vantagem a Portugal (12-10). Nimir encurtou a distância, mas falhou o serviço (13-11), situação que os seus companheiros de equipa rectificaram com um bloco (13-13).
O speaker puxou pelo público, mas os portugueses mantiveram-se firmes e seria Marcel a festejar o 14.º e o 15.º pontos (15-13).

Flavio Gulinelli: "Sabíamos que iria ser uma luta e voltámos a disputar cinco sets, só que desta vez conseguimos fechar o jogo a nosso favor.
Estou feliz com a vitória, embora reconheça que podemos jogar melhor, pois ainda registámos algumas oscilações em termos de exibição. mas é uma equipa que está a crescer de jogo para jogo e alguns jogadores mais influentes estão a subir de forma física, como o Alexandre Ferreira, que fez uma exibição extraordinária.
Creio que amanhã vamos assistir a um jogo muito diferente e vamos ver se somamos mais pontos..."

João José: "Penso que conseguimos jogar melhor do que hoje, mas foi um jogo muito intenso e isso reflectiu-se nos jogadores".

Marcel Gil: "Foi uma vitória muito importante e creio que a nossa equipa esteve muito coesa, apesar de algumas oscilações em termos de eficácia. Amanhã vai ser ainda mais complicado, porque os holandeses precisam de pontuar e sentem-se motivados pelo seu público".
 

< VOLTAR    

 

PORTUGAL QUER A DESFORRA COM A HOLANDA NA LIGA MUNDIAL
21-06-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos defronta amanhã, às 16h30 locais (15h30, em directo, na Sport TV) a Holanda, no primeiro dos dois jogos agendados entre as duas selecções e relativos à 3.ª jornada da Poule C da Fase Intercontinental da Liga Mundial.

Estes jogos são muito importantes para as aspirações quer de Portugal quer da Holanda, pois ambos querem aproximar-se dos lugares cimeiros da classificação, liderada pelo Canadá, que, no entanto, soma já mais dois jogos disputados do que os portugueses e os holandeses. [Ver Classificação]

Recebida ontem à noite em Apeldoorn por uma temperatura amena e chuva, a Selecção Portuguesa efectuou hoje o seu primeiro treino no Omnisports Apeldoorn, pavilhão oficial para a realização dos dois jogos.

Tiago Violas tem ainda bem presente na memória o último encontro com os holandeses, em Setembro de 2012, na fase de qualificação para a Liga Mundial 2013.
Na altura, os holandeses venceram os dois jogos, disputados em Roterdão, mas apenas pela diferença mínima.
1 Setembro: 3-2 (26-24, 25-23, 24-26, 22-25 e 20-18), em 2h15
2 Setembro: 3-2 (20-25, 25-23, 17-25, 25-21 e 15-13), em 2h06

"Defrontámos a Holanda em dois jogos do Play-out da Liga Mundial que tiveram resultados injustos tendo em conta a nossa exibição. Penso que os jogos de amanhã e domingo poderão vir a constituir uma espécie de desforra... o que seria muito importante relativamente a uma possível qualificação para a fase final da Liga Mundial.
Se vencermos os dois jogos, será perfeito, senão, pelo menos uma vitória por 3-0 ou 3-1 e, a acontecer qualquer percalço, somarmos mais um ponto no segundo jogo.
Triunfarmos aqui nos dois jogos seria o ideal porque depois vamos receber em Guimarães as duas selecções teoricamente mais fracas [Japão e Coreia]", salienta o distribuidor lusitano.

Vídeos dos treinos da Selecção Nacional em www.youtube.com/forcavolei

Portugal defronta a Holanda nos dias 22 e 23 de Junho, no Omnisports Apeldoorn.
O 1.º jogo será arbitrado pelo coreano Sang-Chun Jun (1.º árbitro) e pelo finlandês Ahti Huhtaniska (2.º), que trocarão de funções no 2.º jogo. [Ver Calendário da Poule C]

Resultados na Liga Mundial 2013 até ao momento

HOLANDA
CAN-HOL: 3-1 (25-22, 22-25, 27-25, 27-25)
CAN-HOL: 1-3 (22-25, 17-25, 25-20, 23-25)
HOL-JPN: 3-1 (18-25, 25-20, 25-22, 25-17)
HOL-JPN: 3-0 (25-20, 25-21, 25-18)

PORTUGAL
FIN-POR: 3-0 (25-13, 29-27, 25-18)
FIN-POR: 2-3 (25-23, 23-25, 23-25, 25-23, 12-15)
CAN-POR: 3-0 (25-19, 25-19, 25-18)
CAN-POR: 1-3 (19-25, 25-20, 18-25, 23-25)
 

< VOLTAR    

 

OPERAÇÃO HOLANDA ESTÁ EM MARCHA
19-06-2013

Os resultados mais recentes, mais concretamente dos jogos entre o Japão e a Finlândia, nos quais os nipónicos, algo surpreendentemente, somaram os seis pontos em disputa, vieram alterar o cenário classificativo da Poule C, aparecendo agora o Canadá como claro favorito ao apuramento, mas abriram igualmente boas perspectivas para Portugal, em caso de a nossa selecção somar por vitórias os seis jogos que lhe faltam disputar. [Ver Classificação]

Sem afastar essa imagem do horizonte, o Seleccionador Nacional, Flavio Gulinelli, mantém-se fiel aos objectivos iniciais e, para já, só pensa em «vingar-se» da Holanda, que venceu Portugal na fase de qualificação para a Liga Mundial 2013, em dois jogos disputadíssimos realizados em Roterdão, no ano passado.
“As vitórias do Japão frente à Finlândia vieram dar novo alento aos japoneses, mas não têm influência na forma como encaramos esta Liga Mundial.
Preocupamo-nos mais com a nossa equipa. As outras selecções da poule fazem o seu jogo e nós fazemos o nosso.
Neste momento, temos seis jogos para disputar e a nossa classificação é boa.
Os jogos que fizemos na Holanda no ano passado deixaram-nos aborrecidos a todos.
Apesar de termos tido uma boa prestação, pois fizemos mais pontos do que os holandeses, não conseguimos fechar a nosso favor nem o primeiro nem o segundo jogo.
Acho que está tudo muito claro na cabeça dos jogadores: gostaríamos de começar a discutir a vitória desde os momentos iniciais do primeiro jogo”.

João Coelho, libero da turma das quinas, afina pelo mesmo diapasão:
“Queremos dar continuidade ao bom trabalho que temos feito.
Os jogos fora de portas são muito complicados, como se viu na deslocação da Finlândia ao Japão, mas nós temos de pensar apenas em nós e em darmos o nosso melhor.
O nosso próximo adversário é a Holanda e, tendo em conta o que se passou na última vez que a defrontamos, esperamos conseguir mudar os resultados a nosso favor e a começar já pelo primeiro jogo, que não nos tem corrido da melhor forma nesta poule.
Queremos continuar a crescer dentro da competição e para isso acontecer temos de abordar os jogos sempre da mesma forma e sempre com o objectivo de vencer.
Os holandeses possuem jogadores muito altos, mas nós também apresentamos pontos positivos, como um jogo rápido e variado.
Precisamos de ter um side-out consistente e, depois, através do serviço, tentarmos dificultar a acção do adversário e desenvolver o nosso jogo”.

O oposto Marco Ferreira viu-se impossibilitado de dar o seu contributo à equipa das quinas devido a uma lesão prolongada, mas regressa agora aos planos de Flavio Gulinelli na importante deslocação à Holanda...
“Estar de fora não é fácil, e eu estou já há quatro meses sem jogar... mas estou a gostar muito da prestação da Selecção. Têm estado bem, podíamos estar melhor ainda, mas estamos na luta pelos nossos objectivos e pela liderança da poule e isso é o mais importante.
No ano passado jogámos muito bem contra a Holanda, mas acabámos por ter um pouco de azar, pois nos sets que vencemos, ganhámos sempre com uma vantagem maior.
As derrotas acabaram por ser injustas.
De qualquer forma, Portugal e Holanda são duas selecções que se conhecem bem. Sabemos que tem os seus pontos fortes, mas creio que está perfeitamente ao nosso alcance conseguirmos vencer os dois jogos”.

Recuperação mais rápida
com o apoio da 4ntep

Valério Saleiro, professor na 4ntep - Escola de Massagem e Nova Terapia, tem acompanhado, juntamente com os seus alunos, a campanha da Selecção Nacional na Liga Mundial 2013.
“Ao abrigo do protocolo que estabelecemos com a FPV, estamos a apoiar a Selecção na Liga Mundial.
Estivemos a acompanhá-los na primeira fase do estágio, em Anadia, estamos agora aqui na FADEUP e, para a semana que vem, vamos estar em Guimarães a apoiar, uma vez por semana, com trabalho de recuperação dos atletas ao nível da massagem.
Penso que está a ser bastante produtivo, pois temos tido um bom feed-back por parte da equipa técnica e dos jogadores da Selecção relativamente ao nosso trabalho.
O trabalho é realizado em todo o corpo, mas dada a especificidade dos atletas de Voleibol, trabalhamos mais com os membros superiores e costas.
Os jogadores estão bem, claro que há sempre uma ou outra mazela pois a época já vai longa e são muitos jogos e muitas viagens, mas quando se ressentem, queixam-se e nós temos trabalhado para que a sua recuperação seja mais rápida.
O trabalho está a ser feito por uma equipa de jovens que estão a concluir o primeiro ano do curso e estão agora na fase de massagem desportiva e esta colaboração tem sido bastante benéfica para os nossos alunos”.

Podem ver a vídeo-reportagem em www.youtube.com/forcavolei

Holanda... um adversário à altura

Portugal defronta a Holanda nos dias 22 e 23 de Junho, no Omnisports Apeldoorn.
O 1.º jogo será arbitrado pelo coreano Sang-Chun Jun (1.º árbitro) e pelo finlandês Ahti Huhtaniska (2.º), que trocarão de funções no 2.º jogo. [Ver Calendário da Poule C]

A Holanda participou em 16 edições da Liga Mundial: venceu a competição em 1996, contando ainda com um 2.º lugar em 1990 e um 3.º lugar em 1998.
Na sua última presença entre a elite do Voleibol mundial (2010) classificou-se no 11.º lugar.

Portugal e Holanda defrontaram-se pela última vez em Setembro do ano passado, no play-off de qualificação para a Liga Mundial 2013.
Na altura, os homens de laranja venceram os dois jogos, disputados em Roterdão, mas apenas pela diferença mínima.
1 Setembro: 3-2 (26-24, 25-23, 24-26, 22-25 e 20-18), em 2h15
2 Setembro: 3-2 (20-25, 25-23, 17-25, 25-21 e 15-13), em 2h06

Nesta 24.ª edição da Liga Mundial, o seis-base utilizado pelo treinador Edwin Benne apresenta uma média de altura que ultrapassa os 2 metros, mesmo com o libero incluído:
O distribuidor Abdel-aziz Nimir (2,01);
Os centrais Thomas Koelewijn (2,07) e Johannes Bontje (2,06) – capitão de equipa – ou Van Bemmelen Bas (2,07);
Os zona 4 Jeroen Rauwerdink (2,00) e Thijs Ter Horst (2,04);
O central que esta época actua como oposto Wytze Kooistra (2,09);
O libero Gijs Jorna (1,95).

Resultados na Liga Mundial 2013 até ao momento

HOLANDA
CAN-HOL: 3-1 (25-22, 22-25, 27-25, 27-25)
CAN-HOL: 1-3 (22-25, 17-25, 25-20, 23-25)
HOL-JPN: 3-1 (18-25, 25-20, 25-22, 25-17)
HOL-JPN: 3-0 (25-20, 25-21, 25-18)

PORTUGAL
FIN-POR: 3-0 (25-13, 29-27, 25-18)
FIN-POR: 2-3 (25-23, 23-25, 23-25, 25-23, 12-15)
CAN-POR: 3-0 (25-19, 25-19, 25-18)
CAN-POR: 1-3 (19-25, 25-20, 18-25, 23-25)

Os 12 para Apeldoorn

A comitiva portuguesa parte amanhã para Apeldoorn, cumprindo o seguinte itinerário:
20 de Junho: Porto / Amesterdão (14h50 / 18h35), no voo TP 652
23 de Junho: Amesterdão / Porto (19h15 / 20h55), no voo TP 651

A Selecção Portuguesa começa a sua participação na 24.ª edição da Liga Mundial com três saídas: à Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, ao Canadá (7 e 8 de Junho) e à Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho).
 

Nome

Clube

Data Nasc.

Alexandre Ferreira Castellana Grotte, ITA 13.11.1991
André Lopes Chaumont, FRA 12.09.1982
Ricardo Silva AA Espinho 30.08.1990
Marco Ferreira Castellana Grotte, ITA 14.10.1987
Nuno Pinheiro Tours VB, FRA 31.12.1984
Tiago Violas Wiegel, POL 27.03.1981
João José Friedrichshafen, ALE 07.06.1978
Marcel Gil Bottrop, ALE 08.05.1990
Rui Santos Chênois, SUI 24.03.1984
Valdir Sequeira Aich/Dob, AUT 12.11.1981
Ivo Casas Castelo da Maia GC 21.09.1992
João Coelho SL Benfica 24.06.1981
 
Team Manager Nuno Nunes
Treinador Principal Flavio Gulinelli
Treinador Adjunto Hugo Silva
Scouter Ricardo Teixeira
Médico Ricardo Aido
Fisioterapeuta Nélson Leitão
 

 

Hotel de Cantharel

[0031] 55 541 4455
[0031] 55 533 4107 (fax)

< VOLTAR    

 

SELECÇÃO NACIONAL REGRESSA AO TRABALHO
12-06-2013

Após um dia de folga, que se seguiu à viagem de Toronto (Canadá) para o Porto, a Selecção Nacional de Seniores Masculinos regressou hoje aos treinos.

Até ao dia 20 de Junho, os jogadores portugueses vão efectuar treinos bidiários nas instalações desportivas da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP), preparando os dois jogos com a Holanda, agendados para os dias 22 e 23 de Junho, em Apeldoorn, e referentes à 3.º jornada da Poule C da Fase Intercontinental da Liga Mundial. [Ver Calendário de Jogos]

Será a terceira saída consecutiva da equipa orientada por Flavio Gulinelli.
A Selecção Portuguesa começou a sua participação na 24.ª edição da World League na Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, e no Canadá (7 e 8 de Junho) e, agora, viaja até a Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho). [Ver Revista da L. Mundial]

A Fase Final será realizada em Mar del Plata, na Argentina, de 17 a 21 de Julho, e disputada por 8 selecções: o organizador, os três primeiros classificados da Poule A e da Poule B e, ainda, o 1.º classificado da Poule C.

Jogos em Guimarães
às 19h00 (Sport TV)


Os jogos no Multiusos de Guimarães serão sempre disputados às 19h00 e transmitidos em directo pela Sport TV.

Os jornalistas poderão fazer a acreditação online em http://www.fpvoleibol.pt/WL2013/acreditacao.htm

Os bilhetes para os jogos da Liga Mundial têm o seguinte preço:
. Bilhete para cada jogo: 2,50€
. Cartão de Acesso aos 2 Jogos Portugal x Japão: 4,00€
. Cartão de Acesso aos 2 Jogos Portugal x Coreia do Sul: 4,00€
. Cartão de Acesso aos 4 Jogos Portugal x Japão e Portugal x Coreia do Sul: 7,50€

Locais de venda: Lojas FNAC, El Corte Inglês, Centro Comercial Espaço Guimarães, Centro Cultural Vila Flor, Plataforma das Artes, AAUM (Guimarães e Braga), Posto de Turismo de Vila Nova de Famalicão, Teatro Gil Vicente (Barcelos), Theatro Circo (Braga), e em http://tempolivre.bilheteiraonline.pt.
Mais informações em www.tempolivre.pt / geral@tempolivre.pt

Portugueses em acção

Para além dos jogadores da Selecção Nacional, outros portugueses estarão em acção em competições internacionais nos meses de Junho e Julho.
Teodemiro de Carvalho, Secretário-Geral da FPV, desempenhará as funções de Delegado Técnico da Confederação Europeia de Voleibol (CEV) na Poule B da Liga Europeia - masculinos, sediada na Hungria, de 15 a 17 de Junho.
Nos dias 21 e 22 de Junho, Teodemiro de Carvalho será o Supervisor da Federação Internacional de Voleibol (FIVB) nos dois jogos que vão opor a Rússia à Itália, na Poule A da Liga Mundial.

Os árbitros Avelino Azevedo (AV Porto) e Hélio Ormonde (AV S. Miguel) vão orientar jogos da Poule A da Liga Mundial.
Hélio Ormonde dirigirá os jogos entre a Bulgária e a Argentina, nos dias 22 e 23 de Junho, no Arena Armeec, em Sófia.
Avelino Azevedo apitará os jogos entre o Brasil e os Estados Unidos, nos dias 13 e 14 de Julho, no Maracanazinho, no Rio de Janeiro.

Plano de Treinos da Selecção (Previsto)
Pavilhão da FADEUP
12.06.2013 10h00 > 12h00 (musculação) 16h00 > 18h15
13.06.2013 09h30 > 11h30 16H00 > 18H15
14.06.2013 09h30 > 11h30 (musc. + pavilhão) 16H00 > 18H15
15.06.2013 09h30 > 11h30 16H00 > 18H15
16.06.2013 Folga
17.06.2013 10h00 > 12h00 (musculação) 16h00 > 18h15
18.06.2013 13h00 > 15h30 + Massagem
19.06.2013 09h00 > 12h00 (musc. + pavilhão) 16h00 > 18h15
20.06.2013 14h50 – Partida para Amesterdão (Holanda)


Contacto

Hotel: AXIS PORTO - Business & SPA Hotel

Tel: 229 052 000 / Fax: 229 052 009

< VOLTAR   

 

A VINGANÇA DOS PORTUGUESES
08-06-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos mostrou hoje, uma vez mais, que quando actua ao seu melhor nível tem equipa para defrontar - e vencer - qualquer adversário da Poule C.
Foi isso que o Canadá sentiu na pele ao ser surpreendido no Hershey Centre, em Mississauga, após ter vencido ontem o jogo inaugural da 2.ª jornada da Poule na Fase Intercontinental da prova.
Para este importante triunfo (3-1: 25-19, 20-25, 25-18 e 25-23) contribuiu grandemente o apoio incondicional dos adeptos portugueses presentes no pavilhão canadiano, como referiu, no final, Alexandre Ferreira, o melhor pontuador do jogo, com 17 pontos.

O primeiro set começou sob o signo do equilíbrio, com as igualdades a sucederem-se (1-1, 4-4, 7-7), mas Portugal logrou chegar em vantagem (8-7) ao primeiro tempo técnico, com um ataque de Valdir Sequeira.
Este ponto teve o condão de desorientar os canadianos, que, na resposta, atacaram para fora por duas vezes (10-7). Incrédulo, Glen Hoag chamou os seus jogadores...
Os portugueses pressionavam, quer no serviço quer no bloco, e os canadianos não encontravam antídoto... e Alexandre Ferreira aproveitou para assinar, com um serviço directo, o 12.º ponto (12-7).
Os norte-americanos reagiram (10-13), mas Alex fez o 15-11 e André Lopes, a repetir a boa exibição da véspera, colocou o resultado em 16-11 com um serviço directo.
Alex rubricou o seu quarto ponto e 19.º da turma lusitana (19-12) e Hoag voltou a chamar os seus jogadores. Desta vez, a paragem forçada resultou, pois os canadianos aproximaram-se perigosamente (15-19), Porém, Flavio Gulinelli, inteligentemente, pediu tempo, falou com os seus pupilos, e estes voltaram a mostrar-se superiores ao adversário (21-15, 23-17).
O triunfo foi carimbado com um ataque indefensável de André Lopes: 25-19.

Ferido no seu orgulho de estar a perder diante do seu numeroso público, o Canadá entrou de rompante no segundo parcial (2-0). Contudo, os portugueses não acusaram o golpe e equilibraram o jogo (2-2 e 4-4).
Uma pequena desatenção custou aos portugueses três pontos (4-7), mas um amorti de Alex Ferreira voltou a pôr Portugal no trilho certo (6-7).
Um ponto muito contestado pelos portugueses deu uma vantagem de três pontos aos canadianos (10-7), mas Alex Ferreira voltou a servir-se do seu excelente amorti para aproximar Portugal (9-11). Valdir igualou (11-11) e André Lopes «furou» autenticamente a muralha canadiana para fazer o 12-11. Mais um ponto no ataque, desta feita de Valdir, obrigou Glen Hoag a gastar um pedido de tempo (13-11).
Um bloco de João José aumentou a pressão sobre os canadianos (14-11). Novo bloco do capitão luso e um ataque de André Lopes mantiveram a distância (16-13).
Contudo, um bloco de Rudy Verhoeff deu novo fôlego à equipa da casa, que nas jogadas seguintes, e novamente com blocos, se colou ao seu adversário (18-18).
Rui Santos iniciou a reacção dos portugueses (19-18), mas os canadianos estavam motivados e, com um bloco, fizeram o 22-20. Nervoso, Portugal respondeu da pior forma, com três ataques para fora que selaram o set, com o resultado favorável ao Canadá por 25-20.

O Canadá voltou a entrar em força no terceiro set (4-1). E Portugal voltou a responder à letra: primeiro, um bloco e um serviço directo de João José igualam a contenda (5-5), depois, o ataque luso fez a diferença, através de André Lopes e Rui Santos (10-7).
Alexandre Ferreira deu uma ajudinha, com um serviço directo, e Rui Santos imitou-o, mas com um bloco, aumentando para cinco a série de pontos consecutivos (12-7).
Sentindo o perigo, a equipa canadiana reagiu (9-12), mas Rui santos rubricou dois pontos, no ataque e no serviço, e tudo voltou ao normal (14-9).
Pressionados, os canadianos vacilaram e ofereceram, com um serviço para fora, o 16.º ponto aos portugueses (16-11).
Valdir Sequeira fez o 19-14 e Ruca o 20-15, abrindo boas perspectivas para os portugueses. Uma excelente recepção de João Coelho permitiu a finalização de Valdir Sequeira (21-16).
Novamente sob pressão, o Canadá voltou a falhar (23-17). Um bloco de Alex deu o match point a Portugal, que não enjeitou a oportunidade e fechou o set com o resultado de 25-18.

No início do quarto set, as forças voltaram a equiparar-se, mas Portugal logrou chegar em vantagem ao primeiro tempo técnico (8-6).
O domínio português manteve-se (16-13), pese embora a reacção canadiana ter assustado um pouco (13-14).
Novo ponto polémico aproximou, perigosamente, o Canadá (16-17), mas um ataque de Alex, desferido mais em jeito do que em força, manteve Portugal na liderança do marcador (19-17).
Do lado contrário, o Capitão Fred Winters era o mais inconformado com o resultado e deveu-se a ele a reviravolta no marcador (21-21).
Contudo, André Lopes estava intratável e somou dois pontos preciosos no ataque (23-21). João José fez o 24-22, Perrin o 24-23 e ... um ataque para fora o 25-23 da vitória dos portugueses.

Flavio Gulinelli (Treinador de Portugal): "Obviamente, estou muito satisfeito com este triunfo. Jogámos muito melhor do que ontem em todos os sentidos. Os jogadores mostraram muito carácter dentro do campo e merecemos vencer".

João José (Capitão de Portugal): "Mostrámo-nos muito mais organizados, sobretudo na defesa e protecção ao bloco, e fomos mais disciplinados, mantendo quase sempre o mesmo nível de jogo".

Frederic Winters (Capitão do Canadá): "É uma desilusão para nós. Portugal jogou melhor e venceu, como o tinha feito na Finlândia. Começámos mal e deixámos Portugal dominar o jogo".

Glen Hoag (Treinador do Canadá): "Portugal controlou o jogo do princípio ao fim. Melhoraram o seu bloco e defesa, serviram bem e atacaram ainda melhor".

O regresso ao nosso país está agendado para amanhã (9 de Junho), no voo TS 764 – Toronto / Porto, 23h55 / 11h50 (10 de Junho).

A Selecção Portuguesa começou a sua participação na 24.ª edição da Liga Mundial na Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, e no Canadá (7 e 8 de Junho) e, agora, viaja até a Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho). [Ver Revista da L. Mundial]

< VOLTAR    

 

BLOCO CANADIANO INTRANSPONÍVEL
07-06-2013

O Canadá conseguiu hoje um importante resultado para as suas aspirações na Liga Mundial 2013 ao vencer (3-0: 25-19, 25-19 e 25-18) a Selecção Nacional de Seniores Masculinos, no Hershey Centre, em Mississauga, no Canadá, na 2.ª jornada da Poule C da Fase Intercontinental da prova.
A equipa da casa mostrou-se coesa, sólida no bloco e eficaz no ataque, onde sobressaiu Gavin Schmitt, o melhor pontuador do jogo, com 14 pontos.
Por seu turno, Portugal mostrou-se agressivo no serviço, mas oscilou muito nas acções de ataque e defesa, sobretudo no bloco, tendo cometido muitos erros pouco usuais.

O Canadá apresentou no seus seis-base quatro jogadores com mais de 2 metros de altura, com destaque para a estrela da equipa Gavin Schmitt (2,08 metros), mas a turma das quinas não se deixou atemorizar e entrou em campo disposta a arriscar.
Talvez devido a essa postura agressiva, a equipa orientada por Flavio Gulinelli tenha falhado vários serviços no início do jogo, o que permitiu que o seu adversário chegasse em vantagem ao primeiro tempo técnico (8-6).
Pelo contrário, o Canadá mostrava-se eficaz nas suas acções ofensivas e foi com um serviço directo (Joshua Howatson) que aumentou a distância pontual (10-7).
André Lopes respondeu à altura e, com um serviço directo, igualou a contenda (11-11).
Apesar da réplica dos lusitanos, seria ainda utilizando uma das suas melhores armas (o serviço), que o Canadá chegaria à segunda paragem obrigatória com uma diferença que se cifrava já em quatro pontos (16-12), através de uma autêntica «bomba» de Gavin Schmitt.
Mais um serviço directo, este da autoria de Nuno Pinheiro, aproximou Portugal (14-16) e um «penalty» de Rui Santos, a completar outro bom serviço do distribuidor português, colocaram-no a um mero ponto de distância (15-16) e obrigaram Glen Hoag a chamar os seus jogadores.
A conversa resultou, já que os canadianos voltaram a galgar terreno (18-15 e 22-16), obrigando Flavio Gulinelli a reunir com os seus pupilos.
Portugal ainda reagiu (19-23), mas a superioridade nas jogadas junto à rede pertencia às «torres» canadianas e foi com dois blocos que a equipa norte-americana selou a vitória por 25-19.

No segundo set, o Canadá chegou com facilidade aos 4-1, mas dois serviços directos de André Lopes colocaram Portugal na liderança do marcador (5-4).
Os canadianos igualaram com um bloco triplo (6-6) e, com um ataque de segunda linha (Frederic Winters) que empolgou o seu público, chegaram em vantagem ao primeiro tempo técnico (8-7).
Dois blocos consecutivos afastaram ainda mais os canadianos (11-8), mas André Lopes não se conformava com o resultado e reaproximou Portugal (10-11).
Valdir Sequeira igualou (12-12) com um serviço directo, mas John Perrin conseguiu uma vantagem de três preciosos pontos quando se atingiu o segundo tempo técnico (16-13). Pior: o Canadá acrescentou-lhe mais dois pontos (18-13) e tudo se tornou ainda mais difícil para os portugueses, pese embora a sua reacção (15-18 e 18-20).
Um serviço falhado e um erro no ataque por parte dos portugueses foram o canto do cisne e colocaram o Canadá à porta de mais um triunfo, que seria concretizado com mais um bloco: 25-19.

Com o seu 10.º bloco eficaz, o Canadá ganhou motivação extra e... vantagem no início do terceiro set (2-0). Algo desorientada, a equipa portuguesa permitiu que o seu adversário se agigantasse (5-0), novamente através de um ponto ganho no bloco.
André Lopes procurou estancar a hemorragia pontual (1-5) e Valdir colocou novamente Portugal na luta, com um serviço directo (4-5).
John Perrin somou o seu terceiro bloco pessoal e 13.º da sua equipa e fez o 7-4, diferença que se mantinha no primeiro tempo técnico (8-5) e se prolongou para além dele (10-7, 12-9).
Dois erros dos lusitanos deram uma vantagem significativa (15-9) aos canadianos, que, apoiados no seu excelente bloco e mais eficazes no ataque - sobretudo através de Gavin Schmitt -, caminharam imparáveis (18-12, 21-14) para um triunfo muito importante para as suas aspirações: 25-18.

Gavin Schmitt (14 pontos), Valdir Sequeira (12) e André Lopes, Frederic Winters e John Perrin, todos com 11 pontos, foram os melhores pontuadores.

Flavio Gulinelli (Treinador de Portugal): "Parabéns ao Canadá, pois jogou muito bem. Nós tentámos, lutámos mas o nosso esforço não foi suficiente.
Sentimos muitas dificuldades no bloco e no ataque".

João José (Capitão de Portugal): "O primeiro jogo é muito importante e nós, tal como no primeiro jogo coma Finlândia, cometemos muitos erros.
Temos que melhorar, pois não conseguimos ter consistência no nosso jogo e estar sempre ao mesmo nível.
Temos de tomar a iniciativa do jogo e não esperar que o Canadá cometa erros".

Frederic Winters (Capitão do Canadá): "Foi uma vitória importante, após a desilusão que sentimos no segundo jogo com a Holanda. Cometemos poucos erros e jogámos bem, mas sabemos que teremos de jogar ainda melhor se queremos vencer amanhã".

Glen Hoag (Treinador do Canadá): "Estou muito feliz por termos vencido. Não cometemos muitos erros e o nosso serviço foi eficaz.
Portugal tem uma equipa experiente e é conhecido pelo seu carácter lutador. Não esperamos facilidades no jogo de amanhã".

Ver ainda declarações de André Lopes e Valdir Sequeira.

Amanhã, Canadá e Portugal voltam a encontrar-se no Hershey Centre, pelas 19h00 locais (00h00 em Portugal continental), em jogo que será transmitido em directo na Sport TV. [Ver Calendário]

O regresso ao nosso país está agendado para o dia 9 de Junho: voo TS 764 – Toronto / Porto, 23h55 / 11h50 (10 de Junho.

Relativamente aos treinos em solo canadiano, a equipa lusitana deverá cumprir o seguinte programa:
Amanhã: 09h00 / 10h30 locais
Domingo: 13h00 / 15h00 locais

A Selecção Portuguesa começou a sua participação na 24.ª edição da Liga Mundial na Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, e vai efectuar agora mais duas saídas: ao Canadá (7 e 8 de Junho) e à Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho). [Ver Revista da L. Mundial]

< VOLTAR   

 

SELECÇÃO NACIONAL NO CANADÁ
06-06-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos, orientada por Flavio Gulinelli, chegou ontem à noite a Mississauga, no Canadá, onde irá defrontar, amanhã e sábado, o seu segundo adversário na Poule C da Fase Intercontinental da Liga Mundial 2013.

A longa viagem deixou mossas a nível muscular, pelo que é preciso recuperar os jogadores...
"Neste primeiro dia no Canadá está marcado apenas um treino técnico para a parte da tarde.
De manhã, vamos fazer somente alongamentos e já marcámos duas sessões de vídeo [manhã e tarde].
O treino da tarde será um teste geral. Vamos a ver como os jogadores passaram a noite depois da longa viagem e como é que está a ser a sua reacção ao fuso horário [diferença de cinco horas].
De qualquer forma, estamos aqui para dar o nosso melhor e a nossa ideia é voltar para Portugal com pelo menos uma vitória na bagagem, como fizemos na viagem à Finlândia. Se vier alguma coisa mais, melhor ainda", salienta o Seleccionador Nacional.

"Recebi a convocatória com alguma surpresa, mas também com muita alegria e muito orgulho.
Estou confiante em que esta Selecção vai cumprir os seus objectivos, pois encontrei um grupo motivado, que tem vontade de trabalhar e mais cedo ou mais tarde os resultados vão aparecer com esta nova geração", destaca Ubirajara Pereira, capitão de equipa na altura em que a Selecção alcançou o 8.º lugar no Mundial 2002.

Se Bira é um dos mais experientes jogadores portugueses, Ricardo Alvar faz a sua estreia na selecção principal:
"Estou muito feliz e orgulhoso por estar, pela primeira vez, na Selecção Nacional Sénior e por ter merecido a confiança da equipa técnica.
Tenho trabalhado muito e pretendo usufruir ao máximo desta oportunidade de disputar a Liga Mundial.
Creio que temos equipa para assegurarmos um dos três primeiros lugares nesta poule e para fazermos uma boa preparação para a fase de qualificação para o Mundial 2014".

E como sempre, mesmo na longínqua América do Norte, a Selecção Nacional não estará sozinha. Contará, uma vez mais, com o apoio incondicional dos portugueses do continente e ilhas que poderão seguir os jogos através da transmissão em directo realizada pela Sport TV.
Mas o seu apoio não se esgotará aí, já que, como sempre, há portugueses espalhados pelos quatro cantos do mundo, como Denise, a guia da turma das quinas, uma canadiana filha de portugueses naturais de Barcelos, ou a senhora Deolinda, do staff do Hotel Delta Toronto, oriunda do Norte de Portugal e que já trabalha no Canadá há mais de duas décadas.

Na sua 10.ª participação na World League, a Selecção Nacional, orientada por Flavio Gulinelli e por Hugo Silva, disputou já dois jogos na Finlândia, tendo repartido as vitórias com o seu primeiro adversário na prova. [Ver Calendário]

Portugal realizará os dois jogos com o Canadá no Hershey Centre, em Mississauga, amanhã e sábado, ambos às 20h00 locais (01h00 do dia seguinte em Portugal continental), com transmissão em directo na Sport TV.

O regresso ao nosso país está agendado para o dia 9 de Junho: voo TS 764 – Toronto / Porto, 23h55 / 11h50 (10 de Junho.

Relativamente aos treinos em solo canadiano, a equipa lusitana deverá cumprir o seguinte programa:
Hoje: 15h00 / 17h00 locais
Amanhã: 09h00 / 10h30 locais
Sábado: 09h00 / 10h30 locais
Domingo: 13h00 / 15h00 locais

A Selecção Portuguesa começou a sua participação na 24.ª edição da Liga Mundial na Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, e vai efectuar agora mais duas saídas: ao Canadá (7 e 8 de Junho) e à Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho). [Ver Revista da L. Mundial]

< VOLTAR    

 

SELECÇÃO NACIONAL VIAJA AMANHÃ PARA O CANADÁ
04-06-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos viaja amanhã para Mississauga, no Canadá, onde irá defrontar, nos dias 7 e 8 de Junho, o seu segundo adversário na Poule C da Fase Intercontinental da Liga Mundial 2013.

Na sua 10.ª participação na World League, a Selecção Nacional, orientada por Flavio Gulinelli, disputou já dois jogos na Finlândia, tendo repartido as vitórias com o seu primeiro adversário na prova. [Ver Calendário]

Viagem para o Canadá:
5 Junho – Porto / Lisboa, 10h25 / 11h20 (voo TP 1957)
5 Junho – Lisboa / P. Delgada / Toronto, 12h30 / 18h45 (voo S4 321)

Portugal realizará os dois jogos com o Canadá no Hershey Centre, em Mississauga, na sexta-feira e no sábado, ambos às 20h00 locais (01h00 em Portugal continental), com transmissão em directo na Sport TV.

O regresso ao nosso país está agendado para o dia 9 de Junho: voo TS 764 – Toronto / Porto, 23h55 / 11h50 (10 de Junho.

Relativamente aos treinos em solo canadiano, a equipa lusitana cumprirá o seguinte programa:
6 de Junho: 15h00 / 17h00 locais
7 de Junho: 09h00 / 10h30 locais
8 de Junho: 09h00 / 10h30 locais
9 de Junho: 13h00 / 15h00 locais

A Selecção Portuguesa começou a sua participação na 24.ª edição da Liga Mundial na Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, e vai efectuar agora mais duas saídas: ao Canadá (7 e 8 de Junho) e à Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho). [Ver Revista da L. Mundial].

 

Portugal

Nome

Clube

Data Nasc.

Alexandre Ferreira Castellana Grotte, ITA 13.11.1991
André Lopes Chaumont, FRA 12.09.1982
Ricardo Alvar AA Espinho 30.08.1990
Idner Martins Hotvolleys Wieden, AUT 19.12.1978
Nuno Pinheiro Tours VB, FRA 31.12.1984
Tiago Violas Wiegel, POL 27.03.1981
João José Friedrichshafen, ALE 07.06.1978
Ubirajara Pereira Castelo da Maia GC 25.08.1970
Rui Santos Chênois, SUI 24.03.1984
Valdir Sequeira Aich/Dob, AUT 12.11.1981
Ivo Casas Castelo da Maia GC 21.09.1992
João Coelho SL Benfica 24.06.1981
 
Team Manager António Sá
Treinador Principal Flavio Gulinelli
Treinador Adjunto Hugo Silva
Scouter Ricardo Teixeira
Médico Carlos Magalhães
Fisioterapeuta Nélson Leitão

 

Hotel: DELTA TORONTO AIRPORT WEST

+1 905 624 1144

< VOLTAR    

PORTUGAL VENCE FINLÂNDIA COM O CORAÇÃO
01-06-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos venceu hoje (3-2) a Finlândia no 2.º jogo da jornada inaugural da Poule C da Liga Mund-ial 2013. [Ver http://www.fpvoleibol.pt/WL2013]
Foi um jogo extremamente competitivo, como o demonstra o resultado dos quatro primeiros sets - 3-2 (23-25, 25-23, 25-23, 23-25 e 15-12) - aquele a que cerca de 2500 espectadores puderam assistir no Helsinki Ice Hall, na capital finlandesa.
Portugal rectificou a imagem pouco consentânea com o seu valor deixada no primeiro embate da Liga Mundial, tendo jogado muito melhor, sobretudo no serviço, recepção e defesa baixa - com destaque para um super-combativo João Coelho -, o que obrigou o seu adversário a cometer erros.

Flavio Gulinelli utilizou o mesmo seis-base, mas se os jogadores eram os mesmos, a atitude e a ambição revelaram-se bem diferentes...
Tal como na véspera, a Finlândia entrou muito bem no jogo (4-1), mas desta vez Portugal reagiu com celeridade e igualou (5-5), através de do segundo serviço directo da autoria de Alexandre Ferreira.
João José capitaneou a turma das quinas para a liderança no marcador (10-9), Urpo Sivula sonegou-a para os nórdicos (11-10), mas Valdir Sequeira recuperou-a logo de seguida (13-12).
E seria o oposto luso a conseguir, a meias com Marcel Gil no bloco, aumentar a distância (15-12) e, depois, com um ataque, construir uma vantagem de três pontos à passagem do segundo tempo técnico (16-13).
Arriscando no serviço - o que lhe custou alguns pontos -, Portugal chegou aos 20-14, mas a Finlândia reagiu e a agressividade dos seus ataques deram fruto (20-19), obrigando Gulinelli a reunir com os seus pupilos. Não obstante, os finlandeses lograram passar para a frente no marcador (23-22) para gáudio dos seus milhares de adeptos.
Apanhados desprevenidos com este volte-face, os nossos representantes procuraram impedir os finlandeses de fecharem o set. André Lopes ainda fez o 23-24, mas o seu esforço não bastou e a equipa de Tuomas Sammelvuo festejou a vitória pela diferença mínima: 25-23.

A Selecção Nacional aprendeu esta dura lição. Liderando o marcador desde o início (1-0, 3-2) do segundo set, Portugal construiu uma vantagem importante (5-2), com pontos de Alex Ferreira, através de um serviço directo, e Valdir Sequeira, no ataque.
Mikko Oivanen, com um bloco, anulou a diferença (6-6) e, logo de seguida, com um ataque, ainda chegou a oferecer a liderança à Finlândia (8-7), mas Portugal encaixou bem o golpe (9-9) e, com um bloco de Rui Santos, voltou a comandar o score (11-10).
Alex Ferreira, com dois serviços directos consecutivos - o quinto e o sexto da sua conta pessoal... -, aumentou a diferença (16-13). E ainda rubricou um terceiro serviço directo (17-13) logo após o segundo tempo técnico (17-13).
André Lopes travou a recuperação dos nórdicos (18-14)... E Flavio Gulinelli tentou fazer o mesmo, com um pedido de tempo, quando Mikko Esko renovou as esperanças da equipa da casa (19-17).
Contudo, Oivanen, com um serviço directo, tornou a situação ainda mais periclitante para os portugueses (19-18).
Sentindo o perigo, os portugueses reagiram prontamente (22-19), mas Sivula somou mais dois pontos (23-22) para a sua equipa, deixando tudo em aberto. Não o pensou assim Valdir Sequeira, que fechou o set com o triunfo dos portugueses: 25-23.

O terceiro parcial iniciou-se sob o signo do equilíbrio, mas João José (bloco) fez o 6-4 e Valdir Sequeira (serviço) o 7-4, o que obrigou os finlandeses a reagirem (7-6), embora sem impedirem que Portugal atingisse o primeiro período de descanso em vantagem (8-6).
No segundo tempo técnico, os portugueses continuavam a controlar o jogo (16-13) e Valdir Sequeira a cimentar a sua posição de melhor pontuador, então com 17 pontos.
Vendo os portugueses a afastar-se no marcador (20-14), Tuomas Sammelvuo reuniu com os seus jogadores, numa última tentativa de virar o resultado.
Valdir assinou o seu 20.º ponto (22-16) e o caminho para a vitória parecia ter ficado definitivamente delineado. André Lopes rubricou o 24.º ponto (24-19)... mas a Finlândia reagiu com firmeza (24-23), valendo a Portugal o ataque vitorioso de Alex Ferreira a destroçar o bloco triplo contrário e a selar a vitória por mais um apertado 25-23.

No quarto set, os finlandeses, com Oivanen a servir, colocaram-se rapidamente em vantagem razoável (4-1), mas pouco depois Alex conseguia o seu 7.º serviço directo (4-5) e colocava novamente a sua equipa no jogo.
O resultado à chegada ao primeiro tempo técnico, 8-7 favorável à equipa da casa, espelhava o equilíbrio que reinava no recinto do jogo.
Portugal passou para a frente do marcador pela primeira vez quando estava decorrido sensivelmente um terço do set (9-8).
Valdir fez o seu 22,º ponto (11-9), mas Oivanen respondeu com um serviço directo que colocou a Finlândia novamente na liderança (12-11). E o oposto finlandês voltaria a desfazer uma igualdade (13-12) ao assinar o seu 17.º ponto no jogo.
Alex Ferreira não quis ficar atrás na corrida dos artilheiros e selou o resultado com que se atingiu o segundo tempo técnico (16-15) com o 17.º ponto individual.
Matti Haitenen deu ainda mais fôlego ao incansável público finlandês (18-16). Portugal respondeu à afronta e Alex igualou (19-19).
Niklas Seppanen colocou a sua equipa a um mero ponto do triunfo no set (24-21), mas Valdir forneceu um balão de oxigénio aos portugueses (24-23). Depois, o oposto lusitano atacou para a igualdade... mas assim não o considerou a equipa de arbitragem, que deu o ponto, e a consequente vitória, à Finlândia (25-23), o que motivou protestos por parte da equipa portuguesa.

No quinto set, o equilíbrio voltou a imperar, com os pratos da balança a pesarem quer para um lado quer para outro. Portugal fez o 6-4, a Finlândia igualou, mas André Lopes voltou a pôr Portugal no trilho certo (8-6).
O nervosismo começou a ser evidente nos serviços falhados pelas duas equipas (12-11). Um amorti de André Lopes aproximou Portugal da vitória (13-12), mas Tuomas Sammelvuo chamou os seus jogadores, quebrando o ímpeto dos portugueses.
Contudo, a Selecção Nacional estava imparável e intransponível, tendo fechado o set e o jogo com um bloco de João José: 15-12.

Valdir Sequeira e Mikko Oivanen foram os melhores pontuadores do jogo, com 26 pontos, seguidos de perto por Alexandre Ferreira, com 21 pontos.

Declarações: [Ver também Força Volei]

No final, Flavio Gulinelli salientou: "Tenho de dar os parabéns aos meus jogadores não apenas pela vitória mas sobretudo pela forma como se bateram. Hoje estivemos muito mais fortes mentalmente, mas também técnica e tacticamente.
Penso que a nossa equipa precisa destes jogos duros e intensivos, nos quais temos de ganhar ponto a ponto, para ganhar confiança. Creio que hoje demos um passo muito importante nesse sentido.
Tudo o que nos faltou ontem, esteve hoje evidente no nosso jogo".

João José, capitão de Portugal, destacou:
"Resolvemos quase todos os problemas que tínhamos evidenciado no primeiro jogo. Parabéns à equipa, pois conseguiu jogar sempre com a mesma intensidade. Sem menosprezar a Finlândia, hoje fomos superiores ao nosso adversário. Criaram-nos problemas nos finais dos sets, mas jogámos com o coração e conseguimos uma vitória importante".

Rui Santos reconheceu:
"Este grupo é muito forte. Todavia, ontem, acusámos muito a entrada na competição. O início é sempre difícil e o primeiro set foi muito complicado para nós, pois a Finlândia apareceu com um ritmo de jogo muito forte, a jogar muito rápido e nós sentimos muitas dificuldades em travar o seu jogo.
Hoje, foi totalmente diferente: mostrámos que temos equipa para vencer a Finlândia. Vão ser sempre, como hoje, jogos muito equilibrados, mas estamos a fazer um óptimo trabalho e creio que temos excelentes possibilidades de fazer bons resultados na Liga Mundial".

A Selecção Nacional regressa amanhã a Portugal, estando a sua chegada ao Porto prevista para as 22h55 (voo LH 1180, proveniente de Frankfurt).

Os próximos adversários são o Canadá (7 e 8 de Junho), a Holanda (22 e 23 de Junho) e, em Guimarães,, o Japão (29 e 30 de Junho) e a Coreia do Sul (6 e 7 de Julho).

< VOLTAR   

 

FINLÂNDIA VENCE «1.º ROUND»
31-05-2013

A Finlândia venceu hoje, com inesperada facilidade (3-0: 25-13, 29-27 e 25-18), Portugal, na Areena do Helsinki Ice Hall, na jornada inaugural da Poule C da Liga Mundial 2013. [Ver http://www.fpvoleibol.pt/WL2013]
Amanhã, a Selecção Nacional disputa o «2.º assalto» com a selecção nórdica, em jogo agendado para as 18h30 locais (16h30 em Portugal) e que será transmitido em directo na Sport TV.

Flavio Gulinelli fez alinhar de início o distribuidor Nuno Pinheiro, o oposto Valdir Sequeira, os zonas 4 Alexandre Ferreira e André Lopes e os centrais Marcel Gil e João José - João Coelho foi o libero -, alguns dos seus jogadores mais experientes, mas os finlandeses entraram muito bem no jogo e cedo controlaram as operações.
Primeiro, criaram uma pequena vantagem (2-0), que pouco depois lograram avolumar (4-1, 6-2 e 7-3) ao aproveitarem o enorme nervosismo dos portugueses.
No primeiro tempo técnico, a equipa orientada por Tuomas Sammelvuo, que se estreou como treinador após ter sido, durante anos, capitão de equipa, vencia já por 8-4, com um ponto de ataque de Urpo Sivula.
Um amorti de Valdir mostrava as dificuldades sentidas pelos portugueses no ataque, mas ajudava a amenizar a diferença no marcador (5-10).
Foi sol de pouca dura, já que a Finlândia, apoiada pelo numeroso e entusiástico público, atingiu a segunda paragem obrigatória com uma vantagem ainda mais dilatada (16-6).
Com Sivula e Mikko Oivanen a comandarem o ataque dos finlandeses, estes depressa encontraram (21-8 e 24-11) o caminho para o triunfo: 25-13.

No segundo set, a história parecia querer repetir-se, já que os finlandeses chegaram com facilidade aos 1-4, mas os portugueses reagiram e passaram para a frente no marcador (6-5) com um bloco de João José.
Porém, voltaria a ser a equipa da casa a atingir em vantagem o primeiro tempo técnico (8-7).
A tendência manteve-se (10-13), mas André Lopes (ataque) e Valdir (serviço) reaproximaram os portugueses (12-13).
O bom momento da equipa orientada por Flavio Gulinelli foi recompensado com a passagem para a frente no marcador (15-14), através de uma «curta» concretizada por João José. E o capitão lusitano esteve no bloco duplo (com Nuno Pinheiro) que deu a vantagem de dois pontos à chegada ao segundo tempo técnico; 16-14.
Incapazes de travar o forte ataque dos finlandeses, os portugueses voltaram a ser ultrapassados (16-17), mas Valdir conseguiu fez o seu 8.º ponto e o 18-18.
O oposto português rubricou ainda o 21.º ponto (21-20) da sua equipa, mas Mikko Esko respondeu à altura, dando vantagem à Finlândia (22-21).
Foi o mesmo Valdir Sequeira a recuperar a liderança (23-22), o que obrigou Sammelvuo a reunir com os seus jogadores.
Sivula colocou a sua equipa a um ponto da vitória (24-23), mas a decisão do parcial não seria encontrada com facilidade. Portugal resistiu e só caiu com um serviço directo poderosíssimo de Mikko Oivanen: 29-27.

No terceiro set, a Finlândia voltou a entrar de rompante (3-1), mas Idner Martins, primeiro (2-3), e Nuno Pinheiro depois (3-4), conseguiram recolocar na luta Portugal. E Idner conseguiria mesmo igualar (7-7), com um serviço directo.
Contudo, a eficácia dos finlandeses contrastava com o desacerto dos portugueses, que acumulavam erros de ataque e serviço e viam distanciar-se os seus oponentes (8-12).
Um bloco de Mikko Oivanen deu uma vantagem de 5 pontos à Finlândia (16-11).
Daí a pouco a vantagem era já de seis pontos (18-12)...
Portugal não baixou os braços, reagiu (15-18), mas tarde demais, já que os finlandeses, sempre no controlo das operações, geriram bem a vantagem (21-15) até selarem o resultado final com 25-18, através de um bloco.

No final, Flavio Gulinelli reconheceu: "A Finlândia fez um primeiro set fantástico e jogou muito bem ao longo de toda a partida, mostrando-se sempre muito consistente.
Nós, pelo contrário, não conseguimos dar continuidade ao nosso jogo. No primeiro set, passámos por momentos infernais, mas depois reagimos e lutámos pelo triunfo no segundo set, porém, se técnica e tacticamente já conseguimos atingir bons níveis, mentalmente ainda estamos muito frágeis.
Amanhã, teremos de servir muito bem logo desde o início e dar continuidade ao nosso jogo, quer no ataque quer na defesa".

João José, capitão de Portugal, salientou:
"Parabéns à Finlândia, pois jogou de forma coesa e muito bem tacticamente ao longo de todo o jogo e sempre com a mesma intensidade.
No jogo de amanhã, teremos de trabalhar mais certos aspectos e apresentar outra solidez, tanto no bloco como na defesa".

Tuomas Sammelvuo estreou-se como Treinador Principal da Finlândia:
"Foi um prazer fazer a minha estreia contra o Flavio [Gulinelli], que foi meu treinador no Vibo Valentia, em Itália.
A minha equipa mostrou-se muito confiante, mas ainda temos de ser mais agressivos e fazer realmente a diferença no bloco.
Amanhã é um novo jogo".

Antti Siltala, capitão da Finlândia, destacou:
"Hoje jogámos sempre num nível muito alto. Estou muito contente com o nosso desempenho, pois nem nos treinos conseguimos atingir este nível".

A Selecção Portuguesa começa a sua participação na 24.ª edição da Liga Mundial com três saídas: à Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, ao Canadá (7 e 8 de Junho) e à Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho).

< VOLTAR   

 

PORTUGAL NA FINLÂNDIA PARA «VENCER»
30-05-2013

"No Voleibol, ou se ganha ou se perde e não conheço ninguém que goste de perder. Sem qualquer desrespeito pelo nosso adversário, nós estamos aqui para vencer os jogos com a Finlândia", salientou, hoje, Flavio Gulinelli em Helsínquia, onde a Selecção Nacional de Seniores Masculinos vai defrontar, amanhã e sábado, pelas 18h30 locais (16h30 em Portugal), a Finlândia, o seu primeiro adversário na Poule C da Liga Mundial 2013. [Ver http://www.fpvoleibol.pt/WL2013]

O Seleccionador Nacional revelou ainda:
"É importante começarmos a ganhar logo desde o início e, depois, melhorarmos semana após semana.
A minha filosofia foi sempre a de pensar mais na equipa do que nos jogadores individualmente, pois considero que quando vencemos é a equipa que ganha e que todos os jogadores contribuem para o triunfo.
Estamos a construir uma equipa de jovens em redor de jogadores bem mais experientes, como o André Lopes, o Nuno Pinheiro e o João José, que é um modelo para os outros jogadores.
Creio que estamos já em condições de mostrar bom Voleibol".

Do outro lado da rede vai estar um adversário igualmente em remodelação, agora sob a batuta de uma «lenda» do Voleibol finlandês, que deixou o posto de capitão de equipa para se tornar seleccionador nacional.
"Sempre considerei que não existe um bom jogador, se não existir primeiro um bom homem. Conheço bem o Tuomas [Sammelvuo] e o nosso relacionamento continua a ser como quando trabalhámos juntos no Vibo Valentia [Liga Italiana]. Será, seguramente, um bom treinador. É ainda muito jovem e poderá esperar pelos êxitos, pelo menos mais... uma semana", considerou, com humor, Gulinelli.

Por seu turno, João José, igualmente uma «lenda» do Voleibol português, destacou:
"Flavio [Gulinelli] é um treinador que fala muito abertamente com os jogadores. Trabalha intensamente para melhorar as qualidades dos jogadores mais jovens, o que é muito importante, pois já somos poucos os jogadores com muita experiência e temos de confiar nos mais jovens.
Acredito que estamos no bom caminho, mas temos de trabalhar cada vez mais.
Pela minha parte, sinto-me bem e continuo a treinar e a jogar Voleibol com a mesma vontade de sempre.
Pensar em ser treinador? É uma ideia, mas para isso acontecer terá de haver a conjugação de vários factores".

Na Poule C da Fase Intercontinental da Liga Mundial 2013, Portugal realizará os dois jogos com a Finlândia onde treinou hoje pela primeira vez, no Helsinki Ice Hall (na foto), recinto do IFK Helsinki, uma equipa de hóquei sobre o gelo.
Os dois jogos terão transmissão em directo na Sport TV. [Ver Calendário]

Relativamente aos treinos em solo finlandês, a equipa lusitana cumprirá o seguinte calendário:
30 de Maio: 11h00 / 12h30 locais e 19h00 / 20h30 locais
31 de Maio: 11h00 / 12h30 locais
1 de Junho: 11h00 / 12h30 locais

A Selecção Portuguesa começa a sua participação na 24.ª edição da Liga Mundial com três saídas: à Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, ao Canadá (7 e 8 de Junho) e à Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho).

 

Portugal

Nome

Clube

Data Nasc.

Alexandre Ferreira Castellana Grotte, ITA 13.11.1991
André Lopes Chaumont, FRA 12.09.1982
José Gomes GC Vilacondense 21.10.1994
Idner Martins Hotvolleys Wieden, AUT 19.12.1978
Nuno Pinheiro Tours VB, FRA 31.12.1984
Tiago Violas Wiegel, POL 27.03.1981
João José Friedrichshafen, ALE 07.06.1978
Marcel Gil Bottrop, ALE 08.05.1990
Rui Santos Chênois, SUI 24.03.1984
Valdir Sequeira Aich/Dob, AUT 12.11.1981
Ivo Casas Castelo da Maia GC 21.09.1992
João Coelho SL Benfica 24.06.1981
 
Team Manager Nuno Nunes
Treinador Principal Flavio Gulinelli
Treinador Adjunto Hugo Silva
Scouter Ricardo Teixeira
Fisioterapeuta Nélson Leitão
 

Contacto

Hotel
Sokos Hotel Pasila

[+358] 20 1234 613
[+358] 9 143 771 (fax)

< VOLTAR   

 

PORTUGAL A CAMINHO DA FINLÂNDIA
28-05-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos viaja amanhã de Sófia, na Bulgária, para Helsínquia, na Finlândia, onde irá defrontar o seu primeiro adversário na Poule C da Fase Intercontinental da Liga Mundial 2013.

Neste derradeiro estágio antes da sua 10.ª participação na World League, a Selecção Nacional, orientada por Flavio Gulinelli e Hugo Silva, disputou três jogos amigáveis com a Bulgária, 4.º classificada na última edição dos Jogos Olímpicos.

Viagem para a capital finlandesa:
29 Maio – Sófia / Frankfurt, 16h00 / 17h30 (voo FB 437)
29 Maio – Frankfurt / Helsínquia, 20h40 / 00h05 (voo LH 852)

Portugal realizará os dois jogos com a Finlândia no Helsinki Ice Arena, na sexta-feira e no sábado, ambos às 18h30 locais, com transmissão em directo na Sport TV. [Ver Calendário]

Relativamente aos treinos em solo finlandês, a equipa lusitana cumprirá o seguinte calendário:
30 de Maio: 11h00 / 12h30 locais e 19h00 / 20h30 locais
31 de Maio: 11h00 / 12h30 locais
1 de Junho: 11h00 / 12h30 locais

A Selecção Portuguesa começa a sua participação na 24.ª edição da Liga Mundial com três saídas: à Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, ao Canadá (7 e 8 de Junho) e à Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho).

< VOLTAR   

 

SELECÇÃO TESTA FORÇA COM A BULGÁRIA
23-05-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos efectuou hoje, no pavilhão «Hristo Botev Hall» (na foto), em Sófia, o primeiro jogo-treino com a sua congénere da Bulgária, país no qual se encontra a realizar o último estágio de preparação da Poule C da Fase Intercontinental da Liga Mundial 2013.

O jogo-treino foi disputado em quatro sets – conforme combinado entre os dois seleccionadores, os italianos Flavio Gulinelli (Portugal) e Camillo Placi (Bulgária) – e serviu para as duas equipas testarem algumas soluções.
Valdir Sequeira e o capitão búlgaro, Todor Aleksiev, ambos com 15 pontos, foram os melhores pontuadores do jogo.

Neste derradeiro estágio antes da sua 10.ª participação na World League, está prevista a realização de mais dois jogos amigáveis, estes com carácter oficial, a disputar amanhã e sábado, estando ambos agendados para as 17h30 locais.

Após o estágio na capital búlgara, a Selecção Nacional rumará à Finlândia para defrontar o seu primeiro adversário na Liga Mundial.
29 Maio – Sófia / Frankfurt, 16h00 / 17h30 (voo FB 437)
29 Maio – Frankfurt / Helsínquia, 20h40 / 00h05 (voo LH 852)

A Selecção Portuguesa começa a sua participação na 24.ª edição da Liga Mundial com três saídas: à Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, ao Canadá (7 e 8 de Junho) e à Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho).
 

Selecção Nacional

Nome

Clube

Data Nasc.

Alexandre Ferreira Castellana Grotte, ITA 13.11.1991
André Lopes Chaumont, FRA 12.09.1982
José Gomes GC Vilacondense 21.10.1994
Idner Martins Hotvolleys Wieden, AUT 19.12.1978
Nuno Pinheiro Tours VB, FRA 31.12.1984
Tiago Violas Wiegel, POL 27.03.1981
João José Friedrichshafen, ALE 07.06.1978
Marcel Gil Bottrop, ALE 08.05.1990
Rui Santos Chênois, SUI 24.03.1984
Valdir Sequeira Aich/Dob, AUT 12.11.1981
Ivo Casas Castelo da Maia GC 21.09.1992
João Coelho SL Benfica 24.06.1981
 
Team Manager Nuno Nunes
Treinador Principal Flavio Gulinelli
Treinador Adjunto Hugo Silva
Scouter Ricardo Teixeira
Fisioterapeuta Nélson Leitão
 

Contacto

Hotel
Vitosha Park Hotel

[+359] 2 816 8888
[+359] 2 962 2925 (fax)

Bilhetes à venda
em Guimarães


Os jogos no Multiusos de Guimarães serão sempre disputados às 19h00 e transmitidos em directo pela Sport TV.
Os bilhetes para os jogos da Liga Mundial têm o seguinte preço:
. Bilhete para cada jogo: 2,50€
. Cartão de Acesso aos 2 Jogos Portugal x Japão: 4,00€
. Cartão de Acesso aos 2 Jogos Portugal x Coreia do Sul: 4,00€
. Cartão de Acesso aos 4 Jogos Portugal x Japão e Portugal x Coreia do Sul: 7,50€

Locais de venda: Lojas FNAC, El Corte Inglês, Centro Comercial Espaço Guimarães, Centro Cultural Vila Flor, Plataforma das Artes, AAUM (Guimarães e Braga), Posto de Turismo de Vila Nova de Famalicão, Teatro Gil Vicente (Barcelos), Theatro Circo (Braga), e em http://tempolivre.bilheteiraonline.pt.
Mais informações em www.tempolivre.pt / geral@tempolivre.pt

Árbitros portugueses
no Brasil e na Bulgária


Os árbitros portugueses Avelino Azevedo (AV Porto) e Hélio Ormonde (AV S. Miguel) vão orientar jogos da forte Poule A.
Avelino Azevedo apitará os jogos entre o Brasil e os Estados Unidos, nos dias 13 e 14 de Julho, no Maracanazinho, no Rio de Janeiro.
Hélio Ormonde dirigirá os jogos entre a Bulgária e a Argentina, nos dias 22 e 23 de Junho, no Arena Armeec, em Sófia.

A Fase Final será realizada em Mar del Plata, na Argentina, de 17 a 21 de Julho, e disputada por 8 selecções: o organizador, os três primeiros classificados da Poule A e da Poule B e, ainda, o 1.º classificado da Poule C.

< VOLTAR  

 

SELECÇÃO NACIONAL A CAMINHO DE SÓFIA
21-05-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos efectuou hoje, no Pavilhão Desportivo de Anadia, o último treino em solo português antes de rumar, pelas 11h50 de amanhã, a Sófia, capital da Bulgária, onde vai realizar o último estágio de preparação da Poule C da Fase Intercontinental da Liga Mundial 2013, agendado para os dias 22 a 29 de Maio.

A comitiva portuguesa cumprirá o seguinte itinerário:
22 Maio – Porto / Frankfurt, 11h50 / 15h30 (voo LH1177)
22 Maio – Frankfurt / Sófia, 18h30 / 21h50 (voo FB 438)

Após o estágio na capital búlgara, a Selecção Nacional rumará à Finlândia para defrontar o seu primeiro adversário na Liga Mundial.
29 Maio – Sófia / Frankfurt, 16h00 / 17h30 (voo FB 437)
29 Maio – Frankfurt / Helsínquia, 20h40 / 00h05 (voo LH 852)

O Seleccionador Nacional, Flavio Gulinelli, escolheu já os 12 jogadores que disputarão o estágio na Bulgária – que incluirá dois jogos amigáveis (dias 24 e 25) entre as duas selecções de seniores – e os dois jogos com a Finlândia.

A forma como decorreu o estágio na Anadia agradou a Flavio Gulinelli, que se mostra confiante numa boa prestação na Liga Mundial 2013:
“Este estágio na Anadia constituiu um período de trabalho muito bom. Gostei muito da atitude do grupo.
Comparando com o Verão passado, a qualidade do grupo é já muito mais alta e estou confiante que a equipa poderá fazer bons resultados.
Os jogadores mais novos estão com mais um ano de experiência, devido à sua prestação não só na Liga Mundial como também nos seus clubes, alguns em campeonatos estrangeiros, como o Marcel, que regressou com maior qualidade física e técnica, o Alex, que teve uma época muito boa em Itália, o Valdir, que venceu o campeonato na Áustria, e o Pinheiro, que foi campeão em França.
O grupo de trabalho está mais confiante e seguro das suas capacidades.
O Nuno Pinheiro apenas integrou os trabalhos na última semana, mas a sua experiência e a sua qualidade de jogo são já bem visíveis”.

Portugal vai disputar dois jogos amigáveis com a Bulgária, quarta classificada na última edição dos Jogos Olímpicos.
“Combinámos fazer um treino conjunto com a Bulgária na quarta-feira e dois jogos amigáveis nos dois dias seguintes.
A qualidade da selecção búlgara é notória e esta semana de estágio vai ser preciosa na nossa preparação”.

A Selecção Portuguesa começa a sua participação na 24.ª edição da Liga Mundial com três saídas: à Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, ao Canadá (7 e 8 de Junho) e à Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho).

“Após a viagem para o Canadá, que é a mais longa que vamos fazer, não há jogos no fim-de-semana, pelo que dá para trabalhar, para recuperar fisicamente e viajar para a Holanda na nossa melhor forma. O calendário está bem, agora só depende de nós”, conclui o Seleccionador Nacional.
 

Selecção Nacional

Nome

Clube

Data Nasc.

Alexandre Ferreira Castellana Grotte, ITA 13.11.1991
André Lopes Chaumont, FRA 12.09.1982
José Gomes GC Vilacondense 21.10.1994
Idner Martins Hotvolleys Wieden, AUT 19.12.1978
Nuno Pinheiro Tours VB, FRA 31.12.1984
Tiago Violas Wiegel, POL 27.03.1981
João José Friedrichshafen, ALE 07.06.1978
Marcel Gil Bottrop, ALE 08.05.1990
Rui Santos Chênois, SUI 24.03.1984
Valdir Sequeira Aich/Dob, AUT 12.11.1981
Ivo Casas Castelo da Maia GC 21.09.1992
João Coelho SL Benfica 24.06.1981
 
Team Manager Nuno Nunes
Treinador Principal Flavio Gulinelli
Treinador Adjunto Hugo Silva
Scouter Ricardo Teixeira
Fisioterapeuta Nélson Leitão
 

Contacto

Hotel
Vitosha Park Hotel

[+359] 2 816 8888
[+359] 2 962 2925 (fax)

Bilhetes à venda
em Guimarães


Os jogos no Multiusos de Guimarães serão sempre disputados às 19h00 e transmitidos em directo pela Sport TV.
Os bilhetes para os jogos da Liga Mundial têm o seguinte preço:
. Bilhete para cada jogo: 2,50€
. Cartão de Acesso aos 2 Jogos Portugal x Japão: 4,00€
. Cartão de Acesso aos 2 Jogos Portugal x Coreia do Sul: 4,00€
. Cartão de Acesso aos 4 Jogos Portugal x Japão e Portugal x Coreia do Sul: 7,50€

Locais de venda: Lojas FNAC, El Corte Inglês, Centro Comercial Espaço Guimarães, Centro Cultural Vila Flor, Plataforma das Artes, AAUM (Guimarães e Braga), Posto de Turismo de Vila Nova de Famalicão, Teatro Gil Vicente (Barcelos), Theatro Circo (Braga), e em http://tempolivre.bilheteiraonline.pt.
Mais informações em www.tempolivre.pt / geral@tempolivre.pt

Árbitros portugueses
no Brasil e na Bulgária


Os árbitros portugueses Avelino Azevedo (AV Porto) e Hélio Ormonde (AV S. Miguel) vão orientar jogos da forte Poule A.
Avelino Azevedo apitará os jogos entre o Brasil e os Estados Unidos, nos dias 13 e 14 de Julho, no Maracanazinho, no Rio de Janeiro.
Hélio Ormonde dirigirá os jogos entre a Bulgária e a Argentina, nos dias 22 e 23 de Junho, no Arena Armeec, em Sófia.

A Fase Final será realizada em Mar del Plata, na Argentina, de 17 a 21 de Julho, e disputada por 8 selecções: o organizador, os três primeiros classificados da Poule A e da Poule B e, ainda, o 1.º classificado da Poule C.

< VOLTAR 

 

SELECÇÃO NACIONAL ESTAGIA NA BULGÁRIA
16-05-2013

A Selecção Nacional de Seniores Masculinos (foto: Carlos Neves/CM Anadia) vai efectuar na Bulgária, de 22 a 29 de Maio, um estágio de preparação para a Liga Mundial 2013, seguindo depois para a Finlândia, o seu primeiro adversário na Fase Intercontinental.

Até ao dia da partida, a selecção orientada por Flavio Gulinelli irá continuar a treinar no Centro de Alto Rendimento de Anadia, no estágio que aí está a realizar com o apoio da Câmara Municipal de Anadia. [Ver Plano de Treinos]

Na viagem para Sófia, a Selecção Nacional cumprirá o seguinte itinerário:
22 de Maio – LH 1177 – Porto / Frankfurt (11h50 / 15h30)
22 de Maio – FB 438 – Frankfurt / Sófia (18h30 / 21h50)
29 de Maio – FB 437 – Sófia / Frankfurt (16h00 / 17h30)
29 de Maio – LH 852 – Frankfurt / Helsínquia (20h40 / 00h05)

No estágio de preparação da Selecção Portuguesa, em Anadia, estão os seguintes atletas: Marcel Gil, Ubirajara Pereira, João Coelho, Marco Ferreira, Alexandre Ferreira, Ivo Casas, Tiago Violas, Nuno Pinheiro, Carlos Fidalgo, Valdir Sequeira, Idner Martins, Rui Santos, José Gomes, Miguel Rodrigues, André Lopes e Ricardo Silva.

Bilhetes à venda
em Guimarães


A Selecção Portuguesa começa a sua participação na 24.ª edição da Liga Mundial com três saídas: à Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, ao Canadá (7 e 8 de Junho) e à Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho). [Ver Calendário]
Será, assim, o regresso ao Multiusos de Guimarães, que foi já palco de jogos da World League em três ocasiões: 2002, 2005 e 2012.

A Fase Final será realizada em Mar del Plata, na Argentina, de 17 a 21 de Julho, e disputada por 8 selecções: o organizador, os três primeiros classificados da Poule A e da Poule B e, ainda, o 1.º classificado da Poule C.

Os jogos disputados em solo português serão sempre disputados às 19h00 e transmitidos em directo pela Sport TV.

Entretanto, estão já à venda os bilhetes para os jogos da Liga Mundial de Voleibol que se realizam no Multiusos de Guimarães, com o seguinte preço:
. Bilhete para cada jogo: 2,50€
. Cartão de Acesso aos 2 Jogos Portugal x Japão: 4,00€
. Cartão de Acesso aos 2 Jogos Portugal x Coreia do Sul: 4,00€
. Cartão de Acesso aos 4 Jogos Portugal x Japão e Portugal x Coreia do Sul: 7,50€
Mais informações em www.tempolivre.pt / geral@tempolivre.pt

Árbitros portugueses
no Brasil e na Bulgária


Os árbitros portugueses Avelino Azevedo (AV Porto) e Hélio Ormonde (AV S. Miguel) vão orientar jogos da forte Poule A.
Avelino Azevedo apitará os jogos entre o Brasil e os Estados Unidos, nos dias 13 e 14 de Julho, no Maracanazinho, no Rio de Janeiro.
Hélio Ormonde dirigirá os jogos entre a Bulgária e a Argentina, nos dias 22 e 23 de Junho, no Arena Armeec, em Sófia.

< VOLTAR

 

SELECÇÃO NACIONAL JÁ TRABALHA EM ANADIA
02-05-2013

O Seleccionador Nacional dos Seniores Masculinos, Flavio Gulinelli, apresentou já à Federação Internacional de Voleibol (FIVB) a lista de 22 jogadores inscritos para a Liga Mundial de onde sairá a convocatória final dos 12 atletas que disputarão cada jornada da Poule C da Fase Intercontinental da Liga Mundial 2013.

Os jogadores convocados (foto: Carlos Neves/CM Anadia) integrarão os trabalhos da Selecção conforme forem terminando a sua participação nas competições oficiais em que os seus clubes estão inseridos.

No estágio de preparação da Selecção Portuguesa, que se está a realizar no Centro de Alto Rendimento de Anadia, em Aveiro, Flavio Gulinelli estarão sempre, no mínimo, 16 atletas.

“É bom poder contar, no mínimo, com quatro ou cinco semanas de trabalho antes de disputarmos na Finlândia os primeiros jogos”, salientou o Seleccionador Nacional, reconhecendo:
“Queremos alcançar uma boa classificação, mas a Liga Mundial acaba por ser uma excelente preparação para a fase de qualificação para o Campeonato do Mundo de 2014, cujo apuramento é o nosso objectivo mais importante”.

A Selecção Portuguesa começa a sua participação na 24.ª edição da Liga Mundial com três saídas: à Finlândia, no fim-de-semana de 31 de Maio e 1 de Junho, ao Canadá (7 e 8 de Junho) e à Holanda (22 e 23 de Junho), terminando a Fase Intercontinental em Guimarães, com as recepções ao Japão (29 e 30 de Junho) e à Coreia do Sul (6 e 7 de Julho). [Ver Calendário]

Será, assim, o regresso ao Multiusos de Guimarães, que foi já palco de jogos da World League em três ocasiões: 2002, 2005 e 2012.

A Fase Final será realizada em Mar del Plata, na Argentina, de 17 a 21 de Julho, e disputada por 8 selecções: o organizador, os três primeiros classificados da Poule A e da Poule B e, ainda, o 1.º classificado da Poule C.

Os jogos disputados em solo português serão sempre disputados às 19h00 e transmitidos em directo pela Sport TV.
 

Lista dos 22 Jogadores

Nome

Clube

Data Nasc.

Alexandre Ferreira Castellana Grotte, ITA 13.11.1991
André Lopes Chaumont, FRA 12.09.1982
Filipe Pinto SC Espinho 26.02.1991
José Gomes GC Vilacondense 21.10.1994
Idner Martins Hotvolleys Wieden, AUT 19.12.1978
Miguel Rodrigues SL Benfica 12.03.1993
Nuno Pinheiro Tours VB, FRA 31.12.1984
Tiago Violas Wiegel, POL 27.03.1981
José Monteiro SC Espinho 21.10.1991
João José Friedrichshafen, ALE 07.06.1978
Marcel Gil Bottrop, ALE 08.05.1990
Eurico Peixoto Vitória SC 13.05.1981
Carlos Libório SC Caldas 07.07.1990
Rui Santos Chênois, SUI 24.03.1984
Ubirajara Pereira Castelo da Maia GC 25.08.1970
Carlos Fidalgo Vitória SC 16.05.1987
Marco Ferreira Castellana Grotte, ITA 14.10.1987
Valdir Sequeira Aich/Dob, AUT 12.11.1981
Ricardo Alvar AA Espinho 30.08.1990
Ivo Casas Castelo da Maia GC 21.09.1992
João Coelho SL Benfica 24.06.1981
João Magalhães SL Benfica 13.06.1988
 

Árbitros portugueses
no Brasil e na Bulgária


A Selecção Nacional não estará sozinha nesta sua 10.ª participação na Liga Mundial, a prestigiada e espectacular competição organizada pela Federação Internacional de Voleibol (FIVB).

Os árbitros portugueses Avelino Azevedo (AV Porto) e Hélio Ormonde (AV S. Miguel) vão orientar jogos da forte Poule A.

Avelino Azevedo apitará os jogos entre o Brasil e os Estados Unidos, nos dias 13 e 14 de Julho, no Maracanazinho, no Rio de Janeiro.
Hélio Ormonde dirigirá os jogos entre a Bulgária e a Argentina, nos dias 22 e 23 de Junho, no Arena Armeec, em Sófia.

< VOLTAR









BROCHURA OFICIAL